‘Selfie’ mortal

O rio Piracicaba tem fama de ser muito perigoso na época de cheia. Muitas vidas foram ceifadas por ele. Até mesmo excelentes nadadores já foram consumidos por suas águas turbulentas. E nesta semana não foi diferente. O jovem Charlles José da Silva, 21, perdeu a vida ao tirar uma selfie e se aproximar muito da margem.
 
O jovem não era de Piracicaba. Morava em Itapevi, na região de Osasco. Ironia do destino é que o rapaz veio para a cidade para conhecer os irmãos, que descobrira, recentemente, ter na cidade.
 
Bem que um irmão da vítima tentou socorrê-la, mas o jovem foi tragado pelas águas traiçoeiras. Essa foi a primeira vez que um jovem morreu na cidade enquanto tirava um autorretrato na margem do rio.
 
Essa tragédia poderia ser evitada se o jovem não tivesse se aproximado muito da margem do rio para tirar a selfie. O jovem ignorou o risco que corria. Na página do jovem na rede social fotos mostram que gostava de fazer selfies, uma delas em lugar aparentemente perigoso. Mas esse comportamento dos jovens de se arriscarem quando têm um celular nas mãos é mais comum do que se pensa. Não é raro ver pelas ruas pessoas que falam ao celular enquanto atravessam avenidas movimentadas. 
 
Esse risco de tirar fotos muito próximo à margem de rios e lagos é realmente perigoso. Tanto que o tenente-coronel Willians de Cerqueira Leite Martins fez um alerta à população sobre os riscos que as pessoas correm se não observam os limites de segurança. Ainda recomendou que as pessoas se informem se é permitido ou não se aproximar da água em rios, lagoas e represas que as pessoas não conhecem.
 
Diante dessa tragédia, que ceifou a vida de um rapaz que tinha a vida inteira pela frente, fica o alerta aos jovens, para tomarem cuidados aos exploram áreas que desconhecem. Aliás, o alerta vale para todos. E aos pais, para que redobrem os cuidados com crianças nas margens dos rios. Todo cuidado é pouco. A segurança vem primeiro do que a vaidade. (Claudete Campos)