​Mais de 290 presos nas unidades prisionais de Piracicaba foram inscritos para o Encceja/PPL 2019

Cada unidade conta com um responsável pedagógico (Divulgação/SAP)

Duzentos e nove e um ressocializandos das unidades prisionais de Piracicaba estão inscritos neste ano para o Encceja/PPL (Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos para pessoas privadas da liberdade) nos níveis Fundamental e Médio.O maior número de participações será da Penitenciária Masculina com 244 reeducandos, seguido do CR (Centro de Ressocialização) Feminino Carlos Sidnes de Souza Cantarelli com 26 inscritas e o CDP (Centro de Detenção Penitenciária)  com 21 presos.

O número de pessoas privadas de liberdade dos estabelecimentos penais subordinados à CRC (Coordenadoria das Unidades Prisionais da Região Central) aumentou em 31% em comparação a 2018. Foram 6.923 participantes ante 5.280. A aplicação das provas ocorrerá nos dias 8 e 9 de outubro, em 27 unidades prisionais pertencentes à CRC. Nesta modalidade, é possível conquistar a elevação de escolaridade, certificando o Ensino Fundamental ou Médio, dependendo do nível de ensino que o participante está inserido.

De acordo com a SAP (Secretaria de Estado de Administração Penitenciária, no Estado de São Paulo, o número de custodiados inscritos neste ano aumentou 18% em relação a 2018, com 28.146 participantes ante 24.035. O Encceja PPL, direcionado a homens e mulheres privados de liberdade, é aplicado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) em presídios e unidades socioeducativas de todo o Brasil.

As provas normalmente são realizadas em dois turnos, tanto para o Ensino Fundamental, quanto para o Ensino Médio. As inscrições foram feitas pelos responsáveis pedagógicos de cada unidade prisional ou socioeducativa. Será certificado o participante que atingir o mínimo de 100 pontos em cada uma das áreas de conhecimento e atingir o mínimo de cinco pontos na prova de redação. Os responsáveis pedagógicos também ficam com a missão de acessar os resultados e pleitear a certificação dos aprovados nas suas unidades específicas. Cada unidade prisional e socioeducativa conta com um responsável pedagógico para representar os participantes na inscrição e certificação.

 

Cristiani Azanha

[email protected]