Piracicaba sedia North West BJJ em fevereiro

Competição reúne categorias do mirim ao máster; dupla local está confirmada.

Piracicaba recebe no dia 17 de fevereiro o North West BJJ, competição de jiu-jitsu organizada pela Colisão Combat Sports. O evento de lutas, que terá categorias de idade desde o mirim
ao máster, será realizado nas dependências Complexo Municipal Esportivo Alfredo de Almeida Leite, que está localizado à rua Dona Idalina, 276. O local corresponde ao Ginásio da Paulicéia.

As inscrições estão abertas e podem ser feitas no campo de busca do site www.soucompetidor.com.br. A entrada para o certame será trocada por um quilo de alimento não-perecível. As doações,
de acordo com a organização, serão entregues para famílias carentes pela Casa do Hip Hop, em Piracicaba. Mais informações pelo telefone (19) 99858-4283.

A competição contará com
árbitros oficiais e cinco áreas de luta. Além de medalhas para os três primeiros colocados, kits de suplementos e quimonos, a premiação total do evento irá distribuir mais de R$ 3.000 nas cinco categorias absolutas masculinas para adultos.

No total, serão R$ 500 para o vencedor na faixa branca; R$ 600 para o campeão na faixa azul; R$ 700 para o primeiro colocado na disputa pelo título de faixa roxa; R$ 800 para o vencedor na faixa marrom; e R$ 1.000 para o campeão do evento piracicabano na faixa preta.

CONFIRMADOS
Destaques do jiu-jitsu em Piracicaba, os irmãos Felipe e Rafael Borges têm presença confirmada no North West BJJ.

Felipe, que encerrou a última temporada com 100% de aproveitamento na modalidade, briga por mais um título na categoria infantil B, -54 kg, faixa laranja.

Rafael, que foi campeão brasileiro e sul-americano em 2018, entra no tatame em busca do primeiro lugar na categoria infanto-juvenil B, -78 kg, faixa verde.

Para a dupla piracicabana, a competição em casa marca o início de um ciclo ambicioso no cenário da chamada ‘arte suave’.

“Nós queremos que eles participem do Abu Dhabi Grand Slam. Acredito que, se eles lutarem lá, têm boas chances de ficar, estabelecer uma carreira no jiu-jitsu. Como eles começaram muito jovens, têm uma caminhada
muito longa ainda”, afirmou Iria Borges, mãe e responsável pela carreira dos atletas.

“O Rafael, por exemplo, tem mais um ano de faixa verde, é um ciclo de preparação para chegar à faixa azul e ao
juvenil, em 2020. Nós fazemos o que está ao nosso alcance para ajudá-los e para levantar recursos. Acreditamos muito no potencial deles”, finalizou.

(O Líder)