9º QAP da PM reúne mais de 1.000 pessoas

PM Crianças conheceram a rotina dos policiais. ( Foto: Claudinho Coradini)

Mais de 1.000 pessoas entre crianças com necessidades especiais e seus acompanhantes tiveram um dia diferente ontem, na Base de Radiopatrulha Aérea de Piracicaba. Os participantes conheceram a rotina das equipes do helicóptero Águia, Polícia Rodoviária, Canil e Ambiental durante o 9º Quartel Aberto ao Público, o QAP. O Papai Noel chegou ao final da tarde na viatura dos bombeiros.

Os policiais do Setor de Comunicações do 10º BPM/I (Batalhão da Polícia Militar do Interior) prepararam os sanduíches e bebidas para a garotada. O sargento Júlio, tripulante do Águia, disse que o evento é preparado ao longo do ano. “O objetivo é conseguir propiciar um dia diferente. Conseguiremos entregar um kit com brinquedo para todos. É muito gratificante”, comentou o policial.
Segundo a PM, o “QAP” é realizado anualmente desde a criação da Base de Aviação da PM de Piracicaba, como forma de estreitar o relacionamento da polícia com a sociedade, aumentando a responsabilidade social de todos com a formação e orientação das crianças, por meio de atividades lúdicas, atrações, brincadeiras e muita informação.

Cerca de 40 alunos do Instituto Formar participaram do evento pelo sexto ano consecutivo. Eles fizeram apresentações de percussão e banda. “Nossos alunos se apresentaram para o público mais sincero que existe. É uma vibração muito positiva”, disse o coordenador do instituto e que também participa como Papai Noel, Maurício Ribeiro. “Aqui recebemos em uma proporção muito maior do que podemos sonhar. A emoção chega muito forte a partir da preparação. Confesso que não consegui controlar essa emoção”, comentou Ribeiro.

A pedagoga Mariana Turrione, do Instituto Avistar, trouxe 15 crianças de dois a 15 anos com deficiência visual. “Trazer nossas crianças em um ambiente como esse é algo muito abstrato. Através do toque ela passa a ter uma descrição da imagem, pois podem entrar na viatura ou mesmo na aeronave para fazer a sua própria percepção. No caso das pessoas, através do toque sentem se a pessoa tem barba ou usa óculos, por exemplo”, comentou.

(Cristiani Azanha)