A cada três dias um poste é danificado por colisão de veículos

Negligência e desatenção dos motoristas são as principais causas dos acidentes (Foto: Arquivo/JP) Negligência e desatenção dos motoristas são as principais causas dos acidentes (Foto: Arquivo/JP)

Levantamento feito pela CPFL Paulista aponta que em 2018 ocorreram 127 casos de colisão de veículos contra postes da distribuidora, provocando interrupção no fornecimento de energia à população. No ano anterior foram registradas 111 ocorrências, com tempo médio de atendimento de aproximadamente cinco horas. Em 2018, devido às colisões, o tempo médio que os clientes ficaram sem energia foi de aproximadamente duas horas.

Segundo a concessionária, o tempo de restabelecimento se explica pelo fato de que, em casos de abalroamento de postes, a distribuidora precisa muitas vezes reconstruir o trecho da rede elétrica danificado pelo acidente de trânsito. Para a empresa, a imprudência, a negligência e a desatenção dos motoristas estão entre as principais causas dos acidentes.

À lista citada pela concessionária, o secretário de Trânsito e Transportes de Piracicaba, Jorge Akira, acrescenta o consumo de álcool e destacou que a maioria dos acidentes ocorrem aos finais de semana.

Além da CPFL, o secretário informou que os postes de sinalização vertical, de propriedade da prefeitura também são alvo de colisões. Akira informou que a Semuttran (Secretaria Municipal de Trânsito e Transporte) não possui um levantamento das colisões, mas admitiu que as ocorrências são frequentes.

Segundo ele, quando é possível obter a identificação do veículo, é registrado um boletim de ocorrência e o condutor é notificado a pagar pelo dano ao patrimônio público. “Como a CPFL, nós também cobramos do condutor”, afirmou.

De acordo com Akira, no domingo do último dia 17, por volta das 5h, um carro atingiu um poste de sustentação do semáforo na avenida Centenário.

Beto Silva