A rota do tráfico

Tem-se a impressão que combater o tráfico de drogas é como procurar uma agulha no palheiro. Quase todos os dias a polícia prende traficantes e retira drogas de circulação, mas parece que esse trabalho não tem fim. E ontem, com a prisão de uma quadrilha com seis integrantes, a região voltou novamente ao noticiário por causa da conexão internacional dessa quadrilha. A Polícia apreendeu 15 quilos de pasta base de cocaína e dez quilos de crack que vinham da Bolívia, através do Mato Grosso. “Os tijolos tinham a inscrição ‘Made in Cochabamba (cidade na Bolivia).”
 
Reportagem de Cristiani Azanha nesta edição mostra que essa droga estava armazenada em um veículo Gol vermelho com dois ocupantes. A droga estava escondida no painel do carro. Os suspeitos foram parados na base da Polícia Militar Rodoviária na Rodovia Geraldo de Barros (SP-304), em São Pedro. A polícia descobriu que a droga seria entregue em uma chácara no Jardim Dall‘Orto, em Sumaré. Nesta cidade, na Região Metropolitana de Campinas, os policiais prenderam os demais integrantes da quadrilha, inclusive o comprador.
 
Todos sabem que Piracicaba e a região estão na conexão do tráfico internacional de drogas. Uma das formas mais frequentes de entrada da droga no país é pelo Mato Grosso. Dai a importância de ações ostensivas para tentar coibir esse crime na região. Sem falar da importância da inteligência policial para tentar conter a entrada dessas drogas na região.
 
Ontem foi um a zero para a polícia. Agora que o país tem um ministro da Segurança, Raul Jungmann, o atual e o próximo governo terão de olhar com lente de aumento a entrada de droga pelas fronteiras com outros países da América do Sul. Todos sabem que é humanamente impossível combater o tráfico nas fronteiras, tais são as dimensões territoriais do país. Mas esse é um assunto que merece atenção. 
 
E somente com investimento em efetivo para fiscalizar as fronteiras, inteligência policial e tecnologia avançada que as autoridades poderão conter a entrada de drogas no país. Mas, pelo menos até agora, não houve nenhum anúncio oficial sobre investimentos nesta área. Enquanto isso, muitos policiais ficam com essa sensação que estão enxugando gelo. Mas essa é uma medida necessária, para evitar que muitas mães continuam a chorar por filhos que perderam sua vida para as drogas ou para o mundo do crime. (Claudete Campos)