Abaixo-assinado virtual pede fim de proibição de animais, patins, bolas, em parques de Piracicaba

Parques-proibições Em Piracicaba, decreto proíbe entrada de animais, uso de patins, skate, bicicletas em parques (Crédito: Claudinho Coradini/JP)

Se depender da mobilização, por meio de abaixo-assinado virtual no site da change.org, idealizada pelo jornalista e gestor público Hugo Nogueira Luz, 34, a proibição de animais, bolas, skate, patins e até soltar pipas, em parques de Piracicaba poderá entrar na pauta de revisão dos poderes Executivo ou Legislativo. Lançado no domingo (17), até no final da tarde de ontem (18), o abaixo-assinado virtual tinha 181 adesões. “Esse decreto é de 1991. Isso é um retrocesso. De que servem os parques se nossas crianças não podem brincar neles?”, indaga o jornalista.

Hugo Luz destaca que, enquanto parques do mundo todo estimulam a presença de animais, Piracicaba proíbe. Luz justifica que, se o decreto for alterado e a proibição acabar, regras e fiscalização podem definir o uso adequado dos espaços públicos. “Não vejo motivos para essa proibição, criada há quase 30 anos, ainda estar valendo”, lamenta.

No site e em rede social, o jornalista convida os interessados para aderirem e divulgarem o abaixo-assinado. “Depois eu encaminharei para a Câmara Municipal e para o prefeito (Barjas Negri – PSDB), pedindo que essa proibição absurda seja revogada. Por ser um decreto, pode ser revogado a qualquer momento pela prefeitura, desde que haja vontade para isso”, enfatiza.

Caso o poder Executivo não queira revogar o decreto, ressalta o jornalista, a Câmara de Vereadores pode elaborar um PL (Projeto de Lei) para o regramento do uso dos parques, no que se refere à presença de animais, bicicletas, patins, skates. “Muitas pessoas desconhecem essa proibição e acabam levando animais para os parques. Isso sempre me incomodou, porque trabalho com gestão pública, tenho cachorro, sobrinhos pequenos, e muitas vezes, acabo descumprindo o decreto e me sinto mal por isso. Em São Paulo, parques como Ibirapuera, Água Branca, não há mais essa proibição”, detalha.

Hugo Luz acredita que até o final desta semana, o abaixo-assinado ultrapasse 500 adesões. “Essa é a meta para a entrega oficial do pedido de revogação do decreto para o Executivo e o Legislativo. Em menos de um dia após o lançamento do abaixo-assinado, muitas pessoas demonstraram interesse na revogação do decreto”, afirma.

(Eliana Teixeira)