Abrolhos, o paraíso baiano

Cinco ilhas fantásticas ilhas, lar de diversas árvores e das baleias Jubarte, que infelizmente pode desaparecer (foto:Leonides Caraciolo)

Localizado no extremo sul do Estado da Bahia, distante 250 km da cidade de Porto Seguro, o Arquipélago de Abrolhos é uma maravilha rara no território brasileiro e lar de diversas espécies de aves e peixes. O local é composto por cinco ilhas: Santa Bárbara, Siriba, Redonda, Sueste e Guarita, sendo que apenas a primeira é habitada, já que está sob controle da Marinha. A ilha Siriba é a única aberta aos turistas, porém a visitação tem que ser programada e é controlado. Burocracia a parte, vale a pena conhecer esse fantástico paraíso, que podemos falar com todas as letras que “é nosso”.

PARQUE NACIONAL

O Parque Nacional Marinho de Abrolhos é a principal atração do arquipélago, já que possui 91 mil hectares, além de ser declarado, em 1983, o primeiro parque marinho do Brasil. A biodiversidade do local é rica. Para se chegar a local, o visitante deve pegar uma caravela, que demora cerca de quatro horas para chegar a ilha, porém destino final é recompensador. As baleias Jubarte se banham nas águas de Abrolhos, já que é refúgio de alimentação e reprodução, além de poderem ser observadas pelos visitantes, sendo o principal cartão-postal da ilha.

 

ILHA DE SANTA BÁRBARA

É a maior ilha do arquipélago, porém, em razão de ser controlada pela Marinha, os visitantes precisam de autorização para a visita. Além do tamanho, o que diferencia Santa Bárbara das outras ilhas é seu imponente farol, com um alcance de 80 quilômetros, e pode ser visitado no fim do dia. Os “felizardos” autorizados a visitar a ilha podem mergulhar nas águas cristalinas, enquanto quem não gosta da ideia de mergulhar com cilindro ou conta com pouco tempo, a alternativa são os passeios de um dia que incluem atividades como snorkeling e observação de aves.

 

Observação das baleias Jubarte é a principal atração do arquipélago (foto: : Izalete Tavares)

SALVEM ABROLHOS

O paraíso chamado Abrolhos corre perigo, já que recentemente, o novo presidente do Ibama, Eduardo Fortunato Bim, autorizou o leilão de sete blocos de petróleo em regiões próximas ao arquipélago. As consequências da atividade petrolífera como um todo, incluindo um possível acidente de derramamento de óleo nessa região, será um grande impacto não só ambiental, mas também social. Além de ser o berço das baleias Jubarte, as tartarugas marinhas ameaçadas de extinção, como as de couro, cabeçuda, verde e de pente, que também se refugiam no parque, assim como aves como a grazina e os atobás. Estima-se que o arquipélago seja habitat de aproximadamente 1.300 espécies. Uma petição que circula na internet pede a proteção do arquipélago (veja no link https://bit.ly/2VDJUOg). Toda a ajuda é valida, já que é o local é encantador, portanto não merece desaparecer.

Não saia de férias antes de ver as dicas de viagens da Arraso. Acesse: www.jornaldepiracicaba.com.br/arraso/turismo

 

Mauro Adamoli

[email protected]