Academias em condomínio: qualidade de vida para todos

Em busca de qualidade de vida, muitas pessoas optam por morar em condomínios verticais ou horizontais com uma série de equipamentos esportivos. Um dos preferidos pelos moradores são as academias de ginástica. É uma forma de o condômino manter a forma e ainda se exercitar com segurança. Nem precisa sair do condomínio para malhar. Mas sempre é bom checar as regras antes do uso dos equipamentos. 
 
 
“Tendo em vista que condomínio é quando a mesma coisa pertence a mais de uma pessoa com direito igual, seria inviável ter academias sem regras, como o horário. Cada condomínio cria suas regras visando atender seus moradores da melhor forma possível e para que haja harmonia para a massa condômina”, explicou Vera Lúcia Vilanes Teixeira, da GCon Especialista em Condomínios. Todas essas regras devem passar pelo crivo da assembleia, ressaltou Vera Lúcia. 
 
Segundo Vera, não é obrigatório ter professores ou instrutores, mas também não há impedimentos para as contratações. “Entretanto, os moradores são cientes que o mal uso do equipamento, se vier a causar sequela ou até mesmo óbito, é de responsabilidade dele, cabe a ele buscar orientação médica. Há alguns condomínios que exigem atestado médico”, explicou a administradora .
 
É necessário cuidado com os menores “Crianças e menores de 16 anos não devem frequentar a academia sem a presença de seus responsáveis e, principalmente, sem avaliação medica confirmando que estão aptos para frequentar, pois pode ocorrer danos irreversíveis, principalmente nos meninos que gostam de levantar pesos e querem ganhar músculo de qualquer forma e rapidamente. Salvo se houver autorização expressa dos responsáveis”, ressaltou a administradora.
 
Geralmente, a academia é exclusiva para os moradores, mas também há condomínios que permitem que hóspedes frequentem. Há regras e o morador é responsável por danos que esse hóspede possa causar ou até mesmo sofrer. Além disso, também é de responsabilidade do morador ressarcir pelos danos causados por mal uso dos equipamentos.
 
“Não podemos negar que aumenta o consumo da energia elétrica e que deve ser rateada para todos porque a academia faz parte da área comum, mas devido ao conforto e praticidade não é considerado como aumento de despesas e sim aumento na qualidade de vida”, ressaltou Vera.