Acupuntura contra o tabagismo

Objetivo é descobrir os fatores psíquicos e comportamentais que levam à dependência (Foto: Jennifer Henry) Objetivo é descobrir os fatores psíquicos e comportamentais que levam à dependência (Foto: Jennifer Henry)

O tabagismo está relacionado a cerca de 30% das mortes por câncer do aparelho respiratório, esôfago, estômago, pâncreas, colo de útero rim e bexiga. O consumo do tabaco cria uma dependência física e psíquica. Apesar da consciência sobre os males causados pelo cigarro, o fumante fica preso a duas condições: a ação afetiva, que é o desejo de fumar, e uma ação de dependência, que é o que cria o vício.

O médico Wilson Tadeu Ferreira, especialista em pneumologia e acupuntura, diz que o risco de doenças aumenta gradativamente a medida do uso das substâncias presentes no cigarro. “Quanto maior for o consumo do tabaco maior a dependência de nicotina, pois provoca uma compulsão que pode levar até a uma desordem mental”, explica. “A intensidade da dependência e seu estabelecimento têm fatores associados, como características fisiológicas, orgânicas, psicológicas e comportamentais”.

A novidade que pode auxiliar quem deseja deixar o vício está nos benefícios da acupuntura. A técnica, criada há mais de três mil anos na China, é executada por meio da inserção de agulhas na profundidade dos tecidos corporais e, desde 1995, é reconhecida como especialidade médica pelo CFM (Conselho Federal de Medicina), estando disponível no SUS e nos serviços públicos e privados de saúde. O médico explica que a acupuntura pode substituir a sensação de bem-estar causada pelo cigarro. “Ela age liberando substâncias como endorfinas, encefalinas, serotoninas, hormônios, entre outras, com ações analgésicas, ansiolíticas e antidepressivas, necessárias para o equilíbrio físico e mental”, afirma.

Sessões iniciais são realizadas de 2 a 3 vezes por semana (Foto: Putney Clinic)
Sessões iniciais são realizadas de 2 a 3 vezes por semana (Foto: Putney Clinic)

O TRATAMENTO

O médico explica que o tratamento inicia-se por meio de uma detalhada e completa análise médica, com o objetivo de descobrir os fatores psíquicos e comportamentais que levam à dependência do paciente. A partir daí, define-se o tipo de técnica que será empregada no tratamento.

Ferreira recomenda que a técnica seja complementar ao processo de abstinência. “Após o paciente parar de fumar, pode surgir agressividade, apatia, alteração do sono e ganho de peso, já a partir da primeira semana. Depressão nervosa com transtornos de memória são efeitos de médio e longo prazo”, declara o médico sobre as dificuldades dos fumantes em deixar a nicotina.

Geralmente, as sessões de acupuntura são realizadas de duas a três vezes por semana no início do tratamento e, após três meses, a frequência diminui para uma vez semanal. O especialista ressalta que o tratamento deve ser periódico por três anos para surtir os efeitos de forma completa.

Um alerta importante é que a prática da acupuntura só pode ser feita por profissionais da medicina. A aplicação da técnica por qualquer outro profissional é ilegal e pode causar sérios danos à saúde do paciente.

Mariana Requena