Acusado de roubo morre em troca de tiros com a PM

tiro Terreno onde o suspeito se escondeu e foi atingido por disparos. (Foto: Amanda Vieira /JP)

Um acusado de roubo de 33 anos morreu após se envol­ver em um confronto com a Polí­cia Militar, na madrugada de on­tem, na Vila Cristina. Ele teria cor­rido em direção a um terreno baldio e atirou em direção dos po­liciais, que revidaram. Com o sus­peito, os PMs teriam apreendido um revólver calibre 32 com qua­tro cartuchos intactos e outros dois deflagrados.

De acordo com a PM, por volta das 4h30 da ma­drugada, os policiais foram avisados sobre o roubo a uma residência no Bairro Al­to. Os pms intensificaram o patrulhamento no bairro e avistaram o suspeito que ca­minhava pela rua Dom Ma­noel, na Vila Cristina. Os po­liciais teriam dado ordem de parada, mas ele não respei­tou e correu em direção a  um terreno baldio. Segundo o boletim de ocorrência, o homem teria atirado duas vezes em dire­ção dos policiais, que revi­daram. Ele foi atingido com dois tiros no peito. Os PMs chegaram a acionar os so­corristas do Samu (Serviço
de Atendimento Móvel de Urgência), mas quando a equipe chegou, o suspeito já estava morto. Ao lado do corpo, os policiais teriam encontraram a arma, R$ 52,50 em cédulas e moedas, um isqueiro e dois maços de cigarro.

A Polícia Militar preser­vou o local até a chegada dos peritos do IC (Instituto de Criminalista). Os trabalhos foram acompanhados pelo delegado Airton Jaguanharo Correa. Posteriormente o corpo foi encaminhado ao IML (Instituto Médico Le­gal) para a realização de exa­me necroscópico para con­firmar a causa da morte. A pistola .40 também foi apreendida para investiga­ção. O boletim de ocorrên­cia sobre o assunto foi regis­trado como homicídio e morte decorrente de oposi­ção à intervenção policial e legítima defesa.

ROUBO—De acordo com a PM, o suspeito teria parti­cipado de um roubo no Bair­ro Alto. Ele teria rendido o morador da casa e anuncia­do o assalto. A vítima teria sido agredida pelo crimino­so. Em seguida fugiu levan­do R$ 400 em dinheiro da ví­tima na garupa de uma mo­tocicleta que era pilotada por um comparsa que não foi identificado pela polícia.

( Cristiani Azanha)