Acusado de vender drogas pelo WhatsApp é preso

drogas Cerca de 2kg de entorpecentes foram apreendidos. (Foto: Divulgação)

Policiais civis da DIG (Delegacia de Investigações Gerais) prenderam um rapaz que estaria comercializando entorpecentes por aplicativos de troca de mensagens (WhatsApp e Messenger). Ele foi preso ontem de manhã, em sua residência, no Bairro Alto, um dia após completar 18 anos. No interior do imóvel, os policiais localizaram um quilo de maconha fracionada em dois pedaços maiores, porções e uma parte em granel. O suspeito foi encaminhado para a sede da delegacia especializada, onde foi autuada em flagrante sob acusação de tráfico de drogas.

De acordo com a investigação, o rapaz estava sendo investigado há aproximadamente 30 dias. “Geralmente, ele combinava a entrega dos entorpecentes pelos aplicativos e realizava as entregas durante eventos em praças, por exemplo, justamente para dificultar a abordagem policial. A área de atuação dele era a a região do Bairro Alto”, comentou um dos policiais que participou da prisão.
Os policiais também cumpriram dois mandados de busca para outros dois suspeitos que atuavam com o rapaz. Um deles não foi localizado em sua residência, mas os investigadores teriam localizado as porções de entorpecentes. Em um outro endereço, os investigadores encontraram o suspeito, mas nada de ilícito foi apreendido. Ele chegou a ser levado a delegacia, mas liberado após prestar depoimento. Sua suposta participação no esquema será apurada durante o inquérito policial.

OUTRO CASO — Durante outra abordagem realizada ontem de manhã, no bairro Areão, os investigadores prenderam um rapaz que também estaria comercializando entorpecentes pelo WhatsApp. Na casa dele foram encontrados cerca de um quilo de crack e embalagens. O suspeito já tinha sido abordado pela mesma equipe há quatro meses, acusado de comercializar drogas sintéticas como ecstasy e LSD em festas raves na região. Na época, ele respondeu a acusação em liberdade.

(Cristiani Azanha)