Adorada por brasileiros, a feijoada combina com o inverno

Foto: Amanda Vieira / JP

A feijoada é um dos pratos mais típicos e populares na culinária brasileira. Diz a lenda que, nos tempos da escravidão no Brasil, os negros criaram a receita aproveitando as sobras de comida da casa grande, principalmente aquelas que não eram consumidas pelos senhores, como os pés, as orelhas e o rabo do porco. No entanto, alguns historiadores contestam essa versão.

Como a carne era muito escassa no Brasil colonial, é improvável que os ricos dispensassem mesmo as partes menos nobres. A dieta dos escravos não era tão diferente dos senhores. Ricos e pobres tinham basicamente a mesma dieta: angu de farinha de mandioca, carne-seca, feijão, milho e algumas frutas nativas.

Estudiosos apontam que a feijoada é da época do Império Romano ou ainda, que recebeu uma adaptação brasileira do cassoulet francês – que também se faz com a mistura carnes variadas e feijão, só que do tipo branco.

Seja qual for a orig-9*++em, a realidade é que a iguaria faz parte do cardápio de grande parte dos lares por todo o país. De acordo com a chef do restaurante Monte Sul JK, Karla Ometto Perin, a feijoada tradicional, para ninguém colocar defeito, é mesmo aquela sem frescuras, que leva pé e orelha de porco. “Embora não seja todo mundo que goste, se não colocamos esses ingredientes sempre tem aquele que reclama”, conta.

Já que a feijoada tradicional é a paixão nacional, Karla revela sua receita de chef para que você consiga reproduzir sem erros em casa. Segundo ela, a maior dica é começar a preparação da receita um dia antes – e ter muita paciência.

FEIJOADA COMPLETA

 

Ingredientes:

300g de feijão;

150g de pé de porco;

150g de orelha de porco;

250g de costela suína defumada;

250g de paio;

250g de linguiça portuguesa;

250g de linguiça calabresa;

250g de carne-seca;

250g de corinho suíno;

Alho (pequena quantidade);

*olhas de louro.

(Rende 6 porções)

Modo de Preparo:

Um dia antes de quando pretende servir a feijoada, dessalgue as carnes, trocando a água até chegar em um ponto de sal que considere ideal. Uma dica para perceber se ainda há a necessidade de dessalgar é aferventá-las. Se a água estiver com uma boa quantidade sal, pode ser usada também para cozinhar o feijão. Na maioria das vezes, não é necessário acrescentar sal à receita.

Para que o feijão cozinhe mais rápido, deixe-o também de molho um dia antes, sem permitir que fique em um ponto muito mole, para não desmanchar ao ser cozido. Frite o alho e as folhas de louro, então coloque a água, o feijão e deixe de 5 a 10 minutos na pressão.

Acrescente as carnes pré-cozidas, respeitando o tempo de cozimento de cada uma para que não fiquem duras. As linguiças podem ser adicionadas cruas. Deixe engrossar fora da pressão. Paciência é o segredo.

Sirva a feijoada acompanhada de arroz, farinha de mandioca torrada na manteiga, couve refogada, torresmo, vinagrete e banana à milanesa.

Mariana Requena