Alegrias e tristeza…

Pelo menos 1.200 famílias tiveram a certeza de um natal diferente este ano

O dia 16 de outubro de 2018 será lembrado por alegria para muitos piracicabanos que conquistaram o direito a uma moradia popular, após sorteio realizado pela Emdhap (Empresa Municipal de Desenvolvimento Habitacional de Piracicaba), no ginásio municipal Waldemar Blatkauskas. A casa própria é o desejo de muitos e ontem, pelo menos 1.200 famílias tiveram a certeza de um Natal diferente este ano e, porque não, o mais especial, sendo o primeiro em sua “casa própria”.

Na página A5, o jornalista Rodrigo Guadagnim, participou do sorteio dos apartamentos – que terão 45 metros quadrados cada um – e registrou a felicidade de muitos, entre eles, a da senhora Maria José de Oliveira Santos, 78, que comemorou eufórica o anúncio de seu nome. Com lágrimas de felicidade no rosto, ela contou que já tinha sido proprietária de um barraco, mas nunca de uma casa com escritura.

A felicidade rondou, também, as escolas estaduais da cidade na manhã de ontem. A diretoria do CPP (Centro do Professorado Paulista) divulgou o nome do “Professor do Ano 2018” pessoalmente ao homenageado, como fazem todos os anos, de surpresa. A apresentação foi na escola estadual Hélio Nehring, no bairro São Jorge, e o mestre agraciado foi Alessandro Pampolini, professor de química. O merecimento da honraria podia ser visto nos olhares dos alunos e colegas de profissão, já que Pampolini conseguiu transformar o ensinamento da disciplina – considerada como “uma das mais chatas” para os alunos do ensino médio – em algo lúdico. São exemplos assim que devem ter nossos jovens que hoje quase não conseguem se espelhar em mais ninguém.

Por outro lado, a manhã de ontem foi de tristeza e fim da agonia na procura de um parente. O corpo de um desempregado foi encontrado dentro de um carro em uma estrada rural no bairro Godinhos. A família estava amargurada com a ausência de notícias de André Lisboa Jorge Faria, 37, que havia saído de casa para um churrasco com amigos na última sexta-feira (12), e não havia mais retornado para casa. Apesar do avançado estado de decomposição do corpo, informações preliminares da polícia não apontaram sinais de violência no corpo do homem. Momento triste, pelo qual nos solidarizamos com a família enlutada, e aguardamos que em breve este “crime” seja solucionado.

E assim é a lei da vida, como diria Tim Maia: “que uns nascem para sofrer, enquanto o outro ri”.

 

(Felipe Poleti)