Alerta de febre amarela leva à corrida aos postos de saúde

Em uma semana, o número de pessoas vacinadas contra a febre amarelaemPiracicabacresceu 245%. A Informação foi divulgada ontem pela Secretaria da Saúde, ao informar que até dia 22 de janeiro,seis mil pessoastinham tomado a vacina na cidade, sendo 4.265 nos últimos setediaseoutros1.735naprimeira quinzena de janeiro. A própria pasta confirmou que a procura pela vacina vem crescendo nos últimos dias e que os postos já começaramaseadequarde acordocomaprocuradapopulação.

Segundo a assessoria da pastadaSaúde,defatoforam feitos alguns ajustes devido à alta demanda por vacinas. “Inclusive, as unidades onde a demanda está maior receberam novos profissionais paraagilizaroatendimento.É importante observar os horários de atendimento que variam de unidade para unidade,conforme tabela publicada no site da prefeitura e da secretaria”, informou.

Apesar da grande procura, no Crab Piracicamirim, os usuários aprovaram a organização do posto para a vacinação. “Tirando a partedohoráriodeatendimento que não ficou claro, a distribuição de senhas e organização da aplicação da vacina está boa. Hojenãocheguei em tempo de tomar a vacina, mas amanhã (hoje), voltareicommeusfilhospara conseguir a dose, já que em breve viajaremos para área de surto da doença”, disseadomésticaRaquelJacintho Arajú, de 37 anos, ao ladodosfilhosMelissa(15)e Daniel(9).

 

RESTRIÇÃO – Em comunicado, a prefeitura informouque,apartirdehoje,será necessário a apresentação de comprovante de residência para quem for a uma das unidades de saúde da rede pública tomar a vacina contra a febre amarela. “A medida é temporária e deve durar até o dia 28 de fevereiro. Depois deste prazo, a situação será reavaliada”,informa. O motivo dessa decisão é a grande procura pela vacina “por pessoasque nãosão da cidade”, oque estaria prejudicando o atendimento à população local.“Além disso,o fato de Piracicaba não fazer parte das áreas de risco do Estado, o estoque de vacina é limitado”. Ainda segundo a prefeitura,ocomprovantederesidência pode ser contas de água, de luz, telefone (celular ou fixo), contrato de aluguel, demonstrativos enviados pelo INSS entreoutras contas.
 
De acordo com a Secretaria de Saúde, a prioridade é vacinar quem vai se deslocar para áreas de risco e quem reside na zona rural do município. “Quem não vaiviajarparaáreasendêmicas e reside em área urbana não precisa tomar a vacina nomomento.Avacinadeverá ser aplicada, no mínimo, dez dias antes da viagem, tempo necessário para que haja a proteção”,completou.