Anatel amplia vigilância sobre operação da Oi

Embora tenha decidido não cassar as licenças de prestação de serviços da Oi, a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) redobrou a vigilância sobre a empresa e deixou aberta a possibilidade de analisar, futuramente, a suspensão das operações da companhia. As informações constam em parecer do conselheiro Leonardo Euller de Morais, documento ao qual o Broadcast (serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado) teve acesso.

O parecer, com data de sexta-feira, determina que a Anatel passará a ter dois representantes, e não um, nas reuniões do conselho de administração e da diretoria executiva da Oi. A empresa deverá notificar a agência sempre que uma reunião for convocada.

A decisão também renova a ordem para que a operadora garanta aos representantes do poder público o acesso irrestrito a informações contábeis, jurídicas e operacionais para que estas possam ser repassadas imediatamente ao conselho diretor da Anatel.

O objetivo é garantir que o regulador tome conhecimento de fatos relevantes antes de sua publicação, podendo interferir em decisões consideradas prejudiciais para a manutenção dos serviços de telefonia e banda larga da Oi.

A operadora também segue proibida de realizar a venda ou oneração de qualquer bem imóvel integrante do patrimônio das concessionárias, bem como de suas controladoras, controladas e coligadas, sem a prévia ratificação de sua dispensabilidade da Anatel.

A decisão de não cassar as licenças da Oi foi tomada por unanimidade pelo conselho diretor da Anatel em 22 fevereiro, e levou em conta o plano de recuperação judicial da operadora aprovado pela Justiça. A abertura do processo de caducidade da concessão de telecomunicações havia sido recomendada pelo ex-conselheiro Igor de Freitas em 31 de agosto de 2017. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.