Aos 8 anos, menina doa cabelo para confeccionar peruca para pacientes

“Eu tô muito feliz”. Foi como Thayla Lima de Souza, 8 anos, definiu o que sentia ao deixar a sede da Associação Ilumina, após um gesto nobre. A menina, que nunca havia cortado o cabelo, abriu mão dos planos de vender os longos fios para fazer um curso de inglês e decidiu doá-los para a confecção de perucas destinadas a pacientes em quimioterapia.
 
A idéia foi da própria Thayla, após ver uma matéria sobre pacientes em tratamento contra o câncer. “Eu resolvi ajudar elas, porque têm muitas crianças sem cabelo. Então elas vão poder usar o meu para ficarem mais felizes”, disse a menina, enquanto visitava a associação que recebeu sua doação.
 
O gesto da filha não surpreendeu a mãe, a operadora de caixa Marilene Souza, que ajudou a fazer o corte. “Nós sempre incentivamos ela a ter empatia pelo próximo. Apesar de existir esse plano de vendermos para ajudar a pagar o curso de inglês, que é um sonho, quando ela disse que queria doar, não pensamos duas vezes”, disse Marilene.
 
Após pesquisar, a família decidiu fazer a doação para a Associação Ilumina, referência na prevenção e tratamento do câncer na região. No local existe o projeto Capilovers, que confecciona perucas para aumentar a autoestima de pacientes que passam por quimioterapia. O cabelo doado por Thayla pode ajudar até duas pessoas.
 
A iniciativa da menina comoveu a presidente da associação.“É uma manifestação de amor e quando um gesto desse é feito por uma criança, de forma espontânea, a gente fica muito emocionado. Receber uma peruca dessa forma é um ato de empoderamento ao paciente”, afirma médica oncologista Adriana Brasil, que apresentou Thayla para dezenas de pacientes que estavam na Ilumina.
 
 
DESAFIO—Passando por processo de reestruturação, a instituição se prepara para um grande desafio. No bairro Pompeia, teve início a construção do Hospital do Câncer, que será gerido pela instituição. O projeto prevê a construção de quatro alas para tratamento gratuito de tumores da mama, colo de útero, pele e boca, com possível ampliação para intestino e pulmão. 
 
Para Adriana, o gesto de Thayla mostra que todos podem, de alguma forma, ajudar na causa. “Nós teremos o prédio, porém precisamos equipá-lo e mantê-lo funcionando. É por isso que esse é um momento em que precisamos captar muitos recursos financeiros para concluir a realização desse sonho e ajudar cada vez mais pessoas”, afirmou a presidente da entidade. Mais informações sobre o projeto e contribuir com a instituição, basta acessar o site www.associacaoilumina.org.br. “Quando o cabelo crescer eu vou fazer de novo”, prometeu Thayla, ao se despedir. Confira o vídeo com reportagem no Facebook do Jornal de Piracicaba.