Apagando velinhas

Toda a igreja é uma luz, um farol, que ajuda a difundir os valores, que contribui para a pacificação da comunidade

Os piracicabanos são um povo peculiar. Valorizam muito as tradições e sua religiosidade. Isso é muito positivo. Tanto que a memória da cidade é preservada, para ser apreciada pelas próximas gerações. Neste mês, a paróquia Imaculado Coração de Maria, no bairro Pauliceia, comemora seus 65 anos. A igreja, por causa de sua referência arquitetônica e por sua importância junto à comunidade, em decorrência dos trabalhos sociais, estabeleceu uma estreita relação com os piracicabanos.

Para marcar a data, ontem à noite, foi celebrada uma missa diferente. Um dos atrativos foi a celebração de uma missa sertaneja, com músicas gravadas por grandes nomes da música raiz e que remetem à religiosidade e à devoção a Nossa Senhora. Em seguida houve inauguração da gruta instalada entre a igreja e o salão de festas da comunidade e confraternização dos fieis. A intenção dessa gruta é aumentar ainda mais a devoção dos fieis pela santa.

Essa igreja é considerada uma das maiores paróquias da Diocese em Piracicaba. ‘É o que mostra reportagem de Felipe Poleti, nesta edição. É uma igreja baseada em nove setores e outras cinco comunidades: Nossa Senhora Aparecida, Santo Antônio, Santa isabel, Nossa Senhora de Fátima e Santa Teresinha, além de 21 grupos, pastorais e movimentos religiosos. Toda paróquia tem muitas histórias para contar. E a igreja não é diferente. Uma das novidades da comunidade foi que a partir deste ano, Piracicaba recebe os missionários xaverianos, que assumiram a paróquia e foram acolhidos pela comunidade, onde permanecem até hoje.

Toda a comunidade católica tem motivos de sobra para comemorar a data tão emblemática.

Piracicaba é uma das poucas cidades da região com igrejas que comemoram dezenas de anos. É o caso da Catedral de Santo Antônio, na Praça José Bonifácio, que comemora 75 anos, que passa por revitalização.

Que venham muitos anos mais pela frente. Independente do credo dos moradores, toda a igreja é uma luz, um farol, que ajuda a difundir os valores, que contribui para a pacificação da comunidade e também que ajuda a manter vivos os valores que são passados de geração a geração.

(Claudete Campos)