Após empate, Brasil enfrenta o Peru em Los Angeles

Brasil reencontra o Peru após a Copa América (Foto: Lucas Figueiredo/CBF)

A Seleção Brasileira de Futebol enfrenta o Peru, a meia-noite (madrugada de terça para quarta-feira) no Los Angeles Memorial Coliseum, em Los Angeles, nos Estados Unidos, em seu segundo amistoso após a Copa América. O Brasil que empatou com a Colômbia por 2 a 2 em Miami e, assim como o Peru, tratará a partida como preparação para a disputa das eliminatórias para a Copa do Mundo, que começará em março de 2020.

Mesmo com duas vitórias neste ano diante da Seleção Peruana, o volante Allan pediu atenção para não ser surpreendido na Califórnia. “Temos que entrar ligados, sabendo que enfrentaremos uma equipe de muita qualidade, que foi a finalista da Copa América. Quando entra em campo ninguém quer perder, quer defender as cores do seu país. Contra a Colômbia já foi um jogo intenso, e acho que contra o Peru não vai ser diferente, vai ser clima de Eliminatórias de Copa”, garantiu.

O lateral Fágner, do Corinthians, disse que o jogo será importante em razão da observação da comissão técnica, já que o jogador precisa jogar em alto nível para ser chamado. “Todo jogo na Seleção Brasileira você está sendo testado, sendo observado. Acho que a continuar a ser convocado é importante. Independentemente de ser amistoso ou final de Copa do Mundo, você tem que desenvolver bem o seu papel para ser chamado novamente”, completou.

Após a grande campanha na Copa América, quando foi vice-campeão diante da própria Seleção Brasileira, o Peru começou com derrota seu primeiro jogo após a competição, já que foi derrotado pelo Equador por 1 a 0 em Nova Jérsei, também nos Estados Unidos.

Mesmo recebendo a Seleção Brasileira pela primeira vez, o Los Angeles Memorial Coliseum, inaugurado em 1923, tem história. Operado pela USC (University of Southern California), foi uma das sedes dos Jogos Olímpicos de 1932 e 1984 e será o primeiro estádio a receber eventos de três Olimpíadas diferentes, já que também será uma das sedes em 2028. Além disso, o local já recebeu duas edições do Super Bowl (1967 e 1973), que é a final da NFL (Liga de Futebol Americano), é a atual casa dos Los Angeles Rams (atual vice-campeão da NFL) e também já foi utilizado por outras importantes equipes nos Estados Unidos, como o Los Angeles Chargers e o Los Angeles Raiders (atual Oackland Raiders) de futebol americano e o Los Angeles Dodgers, franquia de beisebol.

A Califórnia é responsável por uma importante parte na história da Seleção, já que na Copa de 1994, quando conquistou o tetra, cinco das sete partidas foram disputadas lá, sendo três em Stanford (2 a 0 na Rússia, 3 a 0 em Camarões e 1 a 0 nos Estados Unidos) e duas em Pasadena (1 a 0 na Suécia e 0 a 0 com a Itália, vitória nos pênaltis).

Mauro Adamoli