Aposentada de 78 anos perde R$ 20 mil no golpe do falso sequestro

sequestro Idosa registrou boletim de ocorrência no plantão. (Foto: Arquivo/JP)

Uma aposentada de 78 anos perdeu R$ 20 mil após cair no conhecido golpe do falso sequestro. Ela estava em sua residência, no bairro Nova Piracicaba, na manhã de anteontem, quando um homem telefonou para a sua residência e disse que tinha sequestrado sua filha. A idosa foi convencida pelo interlocutor a fazer um depósito bancário. Só depois de concluir a transação, ela descobriu que fora enganada. O boletim de ocorrência foi registrado no plantão policial como estelionato, mas a polícia não tem pistas sobre a identidade do golpista.

Segundo o boletim de ocorrência, por volta das 9h30, a mulher estava em casa, quando um homem que teria se identificado como “Leandro”, ligou para a casa da vítima e alegou que era um sequestrador. Ele coagiu a idosa a fazer um depósito em uma conta corrente, caso contrário iria matar sua filha. Pediu, inclusive, o número do celular da aposentada para que continuassem conversando até concluir o depósito. Caso ela desligasse o telefone ou falasse com alguém, ameaçou novamente matar a sua filha.

Ainda de acordo com o boletim de ocorrência, ela chegou a entrar em contato com a Polícia Militar através do telefone 190. O atendente chegou a dizer que provavelmente seria um trote, mas a aposentada não acreditou, pois tinha certeza que tinha ouvido a voz de sua filha.

Em seguida, a idosa foi até a agência do Banco do Brasil e conseguiu depositar o valor para a conta do golpista. Só depois de chegar em casa e, após algumas horas, a mulher descobriu que foi enganada. A vítima não tinha nem mesmo o comprovante do depósito, pois o golpista mandou que jogasse fora. A idosa foi até a agência, mas descobriu que o dinheiro tinha sido transferido para outra conta.

DICAS—O comandante do 10º BPMI (Batalhão de Polícia Militar do Interior), tenente coronel Willians de Cerqueira Leite Martins, disse que a orientação da Polícia Militar é tomar cuidados. Uma alternativa é informar ao interlocutor que a ligação está ruim e que precisa ligar novamente. Nesse momento, é importante manter a calma. “É importante entrar em contato com a Polícia Militar para pedir orientações sobre o assunto o mais rápido possível”, orientou o coronel.

Segundo o comandante, é importante que a pessoa tente falar com o familiar, pois, na maioria das vezes, o golpista tenta manter a linha telefônica ocupada para evitar que consiga falar com a suposta vítima. “Nesse tipo de golpe, o interlocutor induz a vítima a dizer o nome do familiar, pois assim que fala que está com o filho, por exemplo, na hora do desespero, a pessoa acaba falando o nome e o golpista usa isso durante a intimidação ao telefone”, informou Cerqueira.

(Cristiani Azanha)