Aposentadoria: nossa luta continuará!

Vai se consumando no Senado Federal um dos mais duros ataques contra a classe trabalhadora brasileira: a Reforma da Previdência de Bolsonaro.

Essa reforma não veio para tirar privilégios e sim para mantê-los, acabando com o direito à aposentadoria para a enorme maioria da população. A solução para eventuais déficits previdenciários passa por crescimento econômico e geração de empregos formais, algo que esse governo é incapaz de promover.

Aprovada na Comissão Especial por 15 votos a 9 e em primeiro turno no plenário do Senado por 59 votos a favor e 19 contra, a reforma passará por um segundo turno de votação, podendo o texto base sofrer alterações em função de destaques.

Desde 2016, ainda antes da posse de Bolsonaro, a Apeoesp já denunciava esse ataque. Nosso sindicato esteve e está na ponta de lança de todas as mobilizações pelo direito à aposentadoria e contra o desmonte da previdência e da seguridade social promovido por essa reforma. Infelizmente, a desinformação promovida por grandes meios de comunicação de massa e a escancarada negociata com dinheiro público promovida pelo governo Bolsonaro junto aos parlamentares fez com que a reforma tenha avançado até este ponto.

Nossa mobilização conseguiu manter condições diferenciadas para a aposentadoria da nossa categoria (idade mínima de 57 anos para as professoras e 60 anos para os professores, com 15 anos de contribuição), mas haverá grande piora nas condições da aposentadoria em relação à situação anterior.

Após a aprovação da reforma em definitivo no Senado, iremos enfrentar uma nova batalha em São Paulo, onde Doria pretende aumentar nossa alíquota de contribuição de 11% para 14% e também a luta contra o regime de capitalização, cujo projeto o Ministro Paulo Guedes afirma já estar pronto para envio ao Congresso.

Continuamos em luta, sempre na defesa dos direitos da nossa categoria e da classe trabalhadora.