Ar em Piracicaba tem partículas nocivas e é classificado como ruim

Gerente da Cetesb ressalta os cuidados redobrados em idosos e pessoas com problemas respiratórios. (Foto: Amanda Vieira / Gerente da Cetesb ressalta os cuidados redobrados em idosos e pessoas com problemas respiratórios. (Foto: Amanda Vieira / JP)

A qualidade do ar em Piracicaba está classificada como ruim devido ao ozônio e – principalmente – a grande quantidade de partículas 10 Micra comuns na atmosfera devido a emissão de gases no ar pelos combustíveis. A baixa umidade do ar, em torno de 16%, somada à falta de chuvas agravam ainda mais o desconforto à saúde.

De acordo com a gerente de divisão da qualidade do ar da Cetesb (Companhia Ambiental do Estado de São Paulo), Maria Lúcia Guardani, poluição e umidade do ar não têm uma relação direta. “O ozônio é um poluente típico desta época do ano e a radiação em Piracicaba está grande, desde ontem”, explicou. “O ar está ruim por conta da meteorologia”, afirmou.

Segundo Maria Lúcia, é a quantidade de partículas 10Micra – oito vezes menor que o diâmetro de um fio de cabelo – que exige maior atenção e cuidados por parte da população. “Essas partículas são inaláveis e podem ir direto para os pulmões”, explicou acrescentando que os danos são maiores às pessoas que já possuem problemas respiratórios, como asma. Já o ozônio causa irritação e agride a mucosa dos olhos.

A gerente destaca que a qualidade ruim do ar em Piracicaba ocorre tanto na área urbana como na rural, uma vez que os poluentes são levados pelo ar. Ela reforçou os cuidados em não se expor ao sol e evitar atividades físicas entre 12h e 16h. “Os idosos não devem sair de casa, se expor ao sol nesse período, esse cuidado é fundamental”, reforçou.

“Não praticar esportes nesse horário também é essencial, melhor de manhã ou à noite”, acrescentou.

Manter os ambientes umidificados, com água em utensílios é outra alternativa para amenizar os impactos da baixa umidade do ar.

MAIS FRIO O CMP

(Centro x de Meteorologia Paulista) prevê queda nas temperaturas na região a partir do próximo domingo. “Estima-se que as mínimas possam variar no domingo na Região de Piracicaba e Campinas entre 12 e 15 graus logo ao amanhecer, com sensação de mais frio devido aos ventos oceânicos da alta pressão atmosférica”, afirmou o graduando em gestão ambiental, Rodrigo Possebom. 

Beto Silva
[email protected]