Arrecadação de impostos cresceu 10,72% neste ano

compra Loja de corredor comercial de Piracicaba: reação. ( Foto: Amanda Vieira/JP)

O Impostômetro, painel implantado pela ACSP (Associação Comercial de São Paulo) na capital paulista para registrar o total de arrecadação de impostos pelos brasileiros, atingirá às 9h45 de hoje a marca de R$ 2 trilhões. Em Piracicaba, o total da arrecadação alcançará amanhã R$ 374,7 milhões, segundo informações da Acipi (Associação Comercial e Industrial de Piracicaba), que faz o acompanhamento das ações para também divulgar os números locais. Em comparação com o ano passado, o Estado aumentou a arrecadação em 11%, enquanto a cidade em 10,72%.

De acordo com o presidente, Luiz Carlos Furtuoso, nesse valor registrado na cidade, estão as arrecadações com IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano), ISSQN (Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza), ITBI ( Imposto sobre Transmissão de Bens Imóveis) e taxas municipais. Para ele, o aumento no valor representa um aquecimento da economia e, ao mesmo tempo, um impacto na carga tributária. “Significa aumento real na arrecadação que ficou acima da inflação.”

Como negativo, o presidente da Acipi aponta a dificuldade de reduzir o gasto público, na esfera federal. “Mesmo com superávit não é possível reduzir, será necessário um esforço grande para equacionar o gasto público.”

ANUAL — Em todo o ano passado, Piracicaba arrecadou R$ 402,8 mi de impostos. Neste ano, a estimativa de arrecadação, até 31 de dezembro, é de R$ 446,7 milhões. Para acompanhar o montante referente ao município, a Acipi também divulga os números em arrecadação de impostos registrados pelo Impostômetro.

O painel, localizado na rua Boa Vista, no chamado “Centro Velho” da Capital, foi implantado no dia 20 de abril de 2005 para chamar a atenção da população para os valores pagos em tributos, que englobam impostos, taxas, contribuições e multas.

A estimativa para arrecadação total em 2018 é de R$ 2,388 trilhões, ante R$ 2,172 trilhões no ano passado. Com esse total arrecadado em todo o país, seria possível receber dez salários mínimos por mês durante mais de 17.700 anos. Se aplicado na poupança, todo esse dinheiro renderia R$ 11,5 milhões em juros por mês.

(Beto Silva)