Asfalto é o pior serviço prestado em Piracicaba, segundo pesquisa

Reprovação é de 61%; mais da metade dos moradores estão insatisfeitos; 13% disseram que é bom. (Foto: Amanda Vieira/JP)

O asfalto em Piracicaba voltou a ser o pior setor avaliado pela população entre 16 áreas estudadas pela Indsat (Índice de Satisfação dos Serviços Públicos). A pavimentação recebeu baixo grau de satisfação, com 434 pontos. Os dados são do 3º trimestre.

Piracicaba começou a fazer parte das pesquisas da Indsat no último trimestre de 2017, período em que a qualidade do asfalto recebeu 482 pontos. Em 2018, os índices de satisfação oscilaram entre 422 e 487 pontos. O cenário se mantém em 2019. Em fevereiro, uma pesquisa da Indsat apontou que 66% dos piracicabanos classificaram o asfalto como ruim ou péssimo. Logo no início de 2018, o asfalto obteve 473 pontos. No levantamento seguinte, a pontuação chegou a 484. O segmento fechou o 3º trimestre do ano com 487. O baixo grau de satisfação é atribuído aos segmentos que registram entre 350 e 499 pontos. Na época, Piracicaba estava entre as quatro piores posições do ranking da qualidade do asfalto entre 12 cidades da região.

O baixo grau de satisfação é atribuído aos serviços que registram entre 350 e 499 pontos. Para conseguir grau médio de satisfação, o segmento precisa receber ao menos 500 pontos.As pesquisas ouviram a opinião de 400 moradores e são realizadas de três em três meses. Para indicar a satisfação com os serviços públicos, o instituto utiliza uma metodologia exclusiva de classificação baseada nos critérios avaliativos de “ótimo”, “bom”, “regular”, “ruim” e “péssimo.Do total de entrevistados, 13% disseram que o asfalto de Piracicaba está “ótimo” ou “bom” e 26% responderam que é “regular”. A reprovação é de 61%. Mais da metade dos moradores estão insatisfeitos com o setor.

A prefeitura de Piracicaba informou que em 2012 foi feita uma pesquisa sobre a idade do asfalto na cidade, que identificou que a vida útil do pavimento, em sua maioria, está vencida. Além disso, segundo a administração, o fluxo constante de veículos acelera o processo de desgaste do asfalto pelo processo de fadiga. Segundo a prefeitura, por meio da operação Tapa-Buraco, são feitos reparos em ruas. A operação prioriza ruas e avenidas por onde passa o transporte coletivo. Em seis meses de 2019 – maio a outubro – a operação havia recuperado 805 ruas e avenidas. Ainda conforme a administração municipal os problemas podem ser comunicados pelo telefone 156, para que eles sejam incluídos no cronograma de serviços.

Beto Silva

[email protected]