Atleta de Piracicaba vence ultramaratona no Alaska

O atleta Joilson Ferreira gravou o nome na história do esporte na última sexta-feira (23). Jabá, como é conhecido, venceu o Iditasport Alaska 200 Milhas, ultramaratona em que percorreu 320 km. Baiano que vive em Piracicaba desde 1997, ele teria cinco dias para completar o percurso, porém, finalizou a prova na primeira colocação em três dias, 18 horas e 54 minutos. É a primeira vez que um atleta consegue completar a competição nas últimas duas temporadas.

 

“Eu não esperava ser campeão. Para mim, o objetivo sempre foi completar a prova e treinei pesado para isso. Estou muito feliz e satisfeito. Agradeço a Deus por me dar as condições necessárias, minha esposa Luciana e meu filho João pelo apoio de sempre, e aos meus amigos que acreditaram em mim e mandaram sempre boas vibrações”, disse, emocionado. Jabá retorna ao Brasil dia 28 de fevereiro.

 

Ao longo da prova, o atleta enfrentou temperatura média de 40 graus negativos, além de neve e neblina, o que prejudicou a visibilidade. Jabá carregou durante a travessia 43 kg de trenó e equipamentos necessários, como água, barraca, comida e roupas especiais. No último dia de percurso, porém, a reserva de líquidos ficou congelada. O competidor descansou apenas uma hora e meia no Alaska. Nas paradas oficiais, Jabá se alimentou e tomou banho. Não bastassem as dificuldades, Jabá percorreu a última milha sendo acompanhado de longe por lobos que vivem na região.

 

“Foi realmente um desafio e exigiu muita concentração, mais do que eu imaginava. Dormi bem pouco, porque quando parava sentia muitas dores no corpo. O período noturno era o mais difícil, a noite é muito longa e muito mais fria. Teve uma hora em que tirei a luva para fazer uma foto com o celular, mas minha mão quase congelou”, contou. Apesar da importante conquista, o campeão agora está preocupado em quitar as despesas da viagem, que chegaram a quase R$ 60 mil.

 

A Iditasport não tem premiação em dinheiro e, sem patrocínio oficial, Jabá teve a ajuda de amigos e alunos. O montante chegou a aproximadamente R$ 22 mil. Ele gastou por conta própria mais de R$ 20 mil em passagens e equipamentos. Além disso, Jabá ainda vendeu camisetas feitas por um amigo para ajudar nas despesas. O atleta ainda precisa arrecadar cerca de R$ 15 mil. “Não é fácil ser atleta no Brasil, mas o importante é que ainda temos pessoas que acreditam no esporte”, destacou.