Atleta supera dificuldades e disputa Grand Slam no Rio

esporte Gedalio Lima sai ileso de grave acidente para participar de evento internacional: ‘Nada pode abalar a confiança’. ( Foto: Leonardo Moniz/Líder Esportes)

O lutador Gedalio Lima, 28, tem compromisso marcado no Rio de Janeiro no próximo fim de semana, com a disputa do Abu Dhabi Grand Slam de Jiu-Jitsu, que acontece entre os dias 16 e 18 de novembro, na Carioca Arena Center. O faixa azul entra no tatame motivado pela experiência pessoal que viveu recentemente: há dez dias, ele escapou ileso de grave acidente automobilístico. De quebra, Gedalio conquistou a medalha de ouro no último domingo (11) o Open Fight Festival, categoria leves (-77 kg), em São Pedro.

“Eu quero sempre vencer, treino duro e os meus professores têm me preparado para isso. O ano foi positivo, de bastante aprendizado e muitas conquistas. O acidente não vai abalar o meu psicológico. Eu quero fechar 2018 em grande estivo e com vitória”, afirmou o lutador, que nasceu em São José de Piranhas (PB), mas vive em Piracicaba há dez anos. O paraibano chegou à cidade em busca de melhores condições para a família, e acabou se apaixonando pelas artes marciais. Agora, tem a oportunidade de mostrar trabalho no Rio de Janeiro.

“É um dos maiores eventos do mundo e espero fazer bem o meu trabalho. Estou preparado. Fiz a preparação com três mestres que me treinaram bem física e tecnicamente: o mestre Cristiano Clazzer e o Lekão (Alexsandro Santos), que estão afiando meu jiu-jitsu, e o meu professor de muay thai, Marcos Alves (Alves Fight Team), que me ajuda a ganhar resistência”, contou Gedalio, que não se abate perante os percalços que terá pela frente. “Vou viajar com um amigo, dormiremos no carro e vamos procurar algum posto para tomarmos banho. Não temos condições financeiras para nos hospedarmos. O dinheiro é contado para combustível, pedágio e alimentação”.

A dificuldade no esporte, porém, é minimizada quando Gedalio fala da própria história de vida. “Nada vai diminuir a nossa confiança e tenho certeza que teremos boas atuações. Quando vim para Piracicaba, tinha o objetivo de conseguir um bom emprego e assim poder enviar dinheiro para a minha mãe. Depois de algum tempo, pude trazer a minha esposa para cá. Mas, tive dificuldades, cheguei a perder o trabalho e depois fui cortar cada. A gente precisa dar um jeito de se virar”, relembrou.

ARTES MARCIAIS

Em 2014, ele encontrou e se apaixonou pelas artes marciais. “Na época, eu não estava bem psicologicamente, e fui atrás de algo que pudesse extravasar a minha adrenalina. Hoje, lutar é minha vida e pretendo seguir assim enquanto tiver forças”, falou o atleta. Além de competir, ele pretende levar o aprendizado que obteve no esporte para mais pessoas, através de projetos sociais. “A minha intenção é contribuir com o lado social e difundir os benefícios do esporte”, finalizou.

( Líder Esportes)