CJ Brasil completa 11 anos com investimentos

empresa Equipe anuncia investimentos e aumento da produção da multinacional. (Claudinho Coradini /JP)

Primeira empresa sul-coreana a se instalar em Piracicaba, a CJ Brasil completa 11 anos no próximo dia 15, com o anúncio de que fará investimentos volumosos nos próximos cinco anos com para atingir a meta de dobrar o faturamento gerado pela unidade piracicabana. A informação foi passada ontem pelo presidente da multinacional no Brasil, Jung Hwan Shin, que recebeu a imprensa pela manhã para falar do momento da companhia no país.

O volume de recursos a ser investido é mantido em sigilo por razões estratégicas. O presidente da CJ afirma que investimento causará impacto positivo imediato, uma vez que será dada prioridade à compra dos equipamentos necessários à ampliação de fornecedores de Piracicaba ou da região. Shin estima que 75% do valor a ser investido será gasto na cidade ou nos municípios vizinhos. “Queremos aumentar a capacidade e também ajudar Piracicaba”, disse.

O presidente faz analogia do momento da empresa no Brasil com diferentes fases da vida de uma pessoa. Afirma que, passada a primeira década, a CJ “não é mais uma criança” e agora poderá dar passos mais firmes rumo ao futuro. “Durante uma década nós aprendemos bastante. E continuamos acreditando que Brasil vai melhorar. Que as pessoas irão comer mais frangos, mais carnes, que irão viver melhor. No momento, todas as empresas pararam de investir, mas nós estamos fazendo investimentos”, disse o presidente.

Mister Shin afirma que o resultado da próxima eleição presidencial não mudará os planos da empresa. “Não sou muito otimista, nem pessimista em relação ao futuro. A economia do Brasil às vezes melhora, às vezes piora. Mas nós queremos seguir o nosso caminho e entendemos que a melhor solução para nós é aumentar os projetos, independentemente de quem será o novo presidente do Brasil”, afirmou o sul-coreano.

O gestor de inovação da CJ do Brasil, Paulo Paschoalino, afirmou que a corporação enxerga as crises como a que Brasil mergulhou em 2015 e da qual ainda tenta se restabelecer “não como dificuldades e sim como desafios”. “Nós temos muitas diretrizes que nos fazem olhar para o futuro. Assim, a possibilidade de a gente vencer é muito maior. Vamos ultrapassar essas barreiras e ajudar a economia brasileira”, afirmou.

Atualmente, a CJ do Brasil conta com 254 funcionários. A área da empresa tem 106 hectares, dos quais 21 hectares são ocupados por áreas construídas. Há outros 23 hectares prontos para construção. A ampliação ocorrerá nesse espaço. Cada hectare corresponde a 10 mil metros quadrados.

 

(Rodrigo Guadagnim)