Avistar sugere adequações aos membros da Câmara Inclusiva

Composto por pessoas entre 13 e 68 anos, o grupo da Avistar possui diferentes graus de deficiência. (foto: Leandro Trajano)

Alunos do Avistar (Serviço de Atendimento à Pessoa com Deficiência Visual de Piracicaba) estiveram nesta sexta-feira (30) na Câmara de Vereadores para identificar as principais necessidades de adequações das instalações físicas dos prédios principal e anexo.

As sugestões serão enviadas aos integrantes do projeto Câmara Inclusiva, que a Casa de Leis lançou em junho e que conta com a colaboração de várias entidades e conselhos ligados ao assunto. Composto por pessoas entre 13 e 68 anos, o grupo da Avistar possui diferentes graus de deficiência, desde baixa visão até a cegueira.

A visita teve início no prédio da rua Alferes José Caetano, 834, onde Brás Antonio Mendes, Jandira Benetti Gomes, Claudia Bindilatti Felippe e Márcio Rodrigues foram recebidos pelo presidente da Câmara, o vereador Gilmar Rotta (MDB).

O parlamentar lembrou que as sugestões serão importantes para nortear as ações do Câmara Inclusiva. “A Casa é de vocês, está sempre de portas abertas. O que queremos é que toda a população faça parte da nossa rotina. Vem daí a nossa preocupação em fazer as adequações da melhor forma possível, pois somente assim as pessoas se sentirão acolhodas nos espaços’, disse ele. No andar térreo do prédio principal, os integrantes da Avistar conheceram a recepção e o setor de protocolo, para depois seguirem para o Plenário Francisco Antonio Coelho, onde se acomodaram nas galerias.

Na sequência, o grupo se dividiu entre escada e elevador para conhecer o restante do prédio. Integrante da comissão de servidores da Câmara no projeto, Erica Aparecida Cruz Diniz foi a responsável por recepcionar os alunos e os conduzir pelos ambientes do Legislativo. Ela teve ainda o auxílio de Daniela Caroba, funcionária do Departamento de Relações Públicas e Cerimoniais.

Eletricista aposentado, Brás Antonio Mendes disse ter sido sua primeira vez à Câmara. “Fico feliz de saber que estão se preocupando com a inclusão das pessoas, independência da deficiência que possuam. Conviver com a deficiência, no dia a dia, não é nada fácil, e precisamos de governantes sensíveis aos nossos problemas”, classificou Mendes, que há dois anos e meio frequenta a Avistar. Presente em todas as discussões do Câmara Inclusiva desde o lançamento do projeto, em 27 de junho, o professor de educação física da Avistar, Eduardo de Paula Azzini, acompanhou a visita dos alunos. “É sempre importante darmos acesso às pessoas com deficiência nos locais públicos e a Câmara está fazendo um trabalho fantástico neste sentido”.

A partir dos apontamentos, a Câmara elaborará um plano de ação a ser aplicado conforme a capacidade financeira, e buscará soluções para que qualquer cidadão se sinta incluído nas atividades legislativas.

Da Redação