Bairro Verde fica sem linha de ônibus

Usuários da linha de ônibus 311, que atende o bairro Verde, organizaram um abaixo-assinado com 100 adesões para que o retorno do transporte coletivo. Moradora há 22 anos na região, a dona de casa Elizabete Regina Razera Carvalho, 38, entrou em contato com o JP para relatar os transtornos diários, enfrentados há dois meses.
 
Unificado com a linha Higienópolis, o ônibus possui dois pontos finais: os terminais Central e da Pauliceia. Segundo os moradores, o tempo entre um ônibus e outro mudou de 20 minutos para até 1h, demora que aumenta para até 2h em feriados e fins de semana.
 
“Fazia 40 anos que ele passava e, agora, o tiraram sem nos avisar”, disse Elizabete. “Têm muitos moradores que estão perdendo ônibus para trabalhar e estudar”, ressaltou.
 
No caso da cuidadora Ana Maria da Silva Serimarco, 59, é preciso um verdadeiro malabarismo. “Pegava sempre quando trabalhava de faxineira, às 6h. Agora, está muito difícil”, sugeriu Ana Maria. 
 
Diagnosticada com fibromialgia, Sandra Regina Fransozo, 60, precisa se deslocar a pé até o Terminal da Pauliceia para depois pegar o ônibus que segue para a avenida Independência. “Tenho que ir trabalhar todos os dias, até no sábado, que não tem ônibus para ir e nem vir”, contou.
 
Os moradores participaram de reunião na Semuttran (Secretaria Municipal de Trânsito e Transportes), agendada pelo vereador Osvaldo Schiavolin, o Tozão (PSDB) e reclamam que nenhuma solução foi apresentada pela prefeitura. Em nota, a prefeitura informou que as duas linhas tinham baixa demanda. Sobre o itinerário, o trajeto era de 45 minutos em cada linha e, agora, passou a ter 70.