Basquete: a diversão compartilhada por irmãos

Três irmãos mais uma bola de basquete: diversão Garantida (Foto:IPM/Divulgação)

Na lateral da quadra, três meninos batem bola enquanto aguardam a ordem para arremessar. Os joelhos ralados, fruto de uma queda de bicicleta, não são capazes de tirar o sorriso estampado no rosto. “A gente vem aqui para se divertir. Nossa mãe comprou uma bola de basquete e a gente fica brincando em casa. O Gabriel é que fica mais com a bola (risos)”, falou Daniel sobre o irmão mais velho. “Tem que dividir mais”, endossou Miguel, o caçula. A bola de basquete, aliás, entrou na vida dos irmãos Daniel, Gabriel e Miguel há cerca de um ano.

O trio frequenta as atividades do IPM (Instituto Passe de Mágica), associação sem fins lucrativos criada pela medalhista olímpica e campeã mundial de basquete, Magic Paula. Eles participam das aulas realizadas no Tiro de Guerra. Gabriel, de 13 anos, foi o primeiro a conhecer o IPM, que adota o esporte como ferramenta para o desenvolvimento humano. “Tenho um amigo que chama Richard. Ele já participava e me convidou para conhecer. Gostei muito e fiquei”, contou.

Daniel, de 9 anos, e o pequeno Miguel, que está com 8 anos, também se contagiaram com a dinâmica das atividades. Apesar da pouca idade, eles percebem uma evolução: hoje, garantem que são menos ‘envergonhados’, mais calmos e alegres. “Gosto de arremessar e sou bom de perto da cesta. Acordo cedo, tomo banho e escovo o dente. Depois, tomo café da manhã e venho. Gosto de jogar basquete. Quando acaba, vou para casa, ajudo a minha mãe e espero a hora de ir para escola”, relatou Miguel.

Além do Instituto, ajudar à mãe é outra tarefa compartilhada pelo trio. Na casa em que vivem, no bairro Morumbi, são seis pessoas, incluindo a irmã Maria Eduarda e o pai de Daniel e Miguel, que é padrasto de Gabriel – o pai do menino mais velho já faleceu. Eles não fazem segredo em relação às dificuldades que enfrentam no lar, como é o caso do aluguel que a família precisa pagar, mas contam com felicidade que estão resolvendo problemas que, de vez em quando, passam batidos. “O que eu melhorei? Hoje eu sou menos nervoso”, afirmou Miguel.

Entre eles, os meninos também dividem sonhos: Gabriel quer ser um advogado e Daniel diz que vai estudar para ser médico, enquanto Miguel fala em ser policial. Os irmãos também querem conhecer Londres, mas não sabem exatamente o porquê, e também pretendem ir ao Nordeste, desejo esse que é alimentado pela saudade de visitar a avó. “Nunca mais vimos ela. Ela mora lá e não tem condições de vir pra cá. Não lembro direito em que cidade ela vive, mas faz três anos que a gente não vê ela”, finalizou Daniel, antes de sair em disparada e encestar a bola laranja, símbolo da esperança que divide com os irmãos.