Berlim, o símbolo da Europa unificada

Capital germânica foi fundamental para a reunificação do país e valoriza sua história para não repetir os erros do passado. (Foto: Jean Claude Castor)

Uma cidade que já foi dividida por muitas décadas do século 20, porém agora após superar os fantasmas de seu passado, Berlim, é o símbolo da Europa Unificada. 5ª cidade mais populosa da Europa (3,7 milhões), a capital da Alemanha se modernizou mas ainda cultiva sua história para seus visitantes e, principalmente, para os nativos, com o propósito de não cometer os mesmos erros do passado.

Divertida, fascinante e magistral são alguns dos adjetivos que Berlim ganha de seus turistas, já que é um lugar para guardar na memória.

Para conhecer uma cidade você precisa entrar nela, e em Berlim o visitante faz isso em grande estilo, por meio do imponente Portão de Brandemburgo (Brandenburger Tor), um portal que quando a cidade era dividida (entre Ocidental e Oriental) era uma terra de ninguém e símbolo da Cortina de Ferro.

Com a queda do muro, foi o principal local da celebração do fim da divisão alemã. A partir do fim da tarde, com o pôr do sol e a chegada da lua, sua iluminação dourada cativa qualquer um que esteja por perto.

Outra atração imperdível da capital é o Palácio de Reichstag, edifício que fica o Parlamento Alemão, inaugurado em 1894 e um dos locais mais visitados e importantes para a história alemã. Ali foi proclamada a independência da república (1918) e usado pelos nazistas como pretexto para iniciar as perseguições aos seus oponentes, já que o local foi incendiado quatro semanas após Hitler tomar posse. O prédio foi restaurado na década de 60 e hoje recebe centenas de visitantes, tendo se tornado um dos símbolos da unificação alemã.

Também vale a pena conhecer Charlottenburg, a residência dos monarcas Hohenzollern.

Por ter um passado sangrento, em que muitas pessoas (principalmente judeus) foram perseguidos, torturados e mortos pelos nazistas durante a Segunda Guerra Mundial, Berlim não esconde sua história e prova disso é o Monumento ao Holocausto (Holocaust-Mahnmal). Uma enorme contundente sequências de placas de concreto construída em memória dos judeus mortos.

Não há menção às outras vítimas dos campos de concentração e outros tipos de perseguição (como os ciganos e homossexuais), mas continua sendo silencioso e poderoso memorial às vítimas da intolerância.

Após aproveitar o dia com opções históricas e culturais, a noite berlinense é fantástica, já que é uma das cidades mais vibrantes de toda a Europa.

Um dos principais estilos do país é a música eletrônica e os bairros de Friedrichshain (onde fica o Berghain, uma famosa balada dentro de uma usina) e Kreuzberg. Os bares e pubs da capital também são famosos e divertidos, como Mitte, Prenzlauer Berg e Charlottenburg, além dos dois citados anteriormente. Além da eletrônica, a música clássica é bastante requisitada na Alemanha, sendo que a Konzerthaus e a Philharmonie Berlin são as principais opções para este tipo de espetáculo .

Mauro Adamoli
[email protected]