Biblioteca Municipal Ricardo Ferraz de Arruda Pinto: 80 anos de história

Nesta semana comemoramos com grande alegria e satisfação, os 80 anos de fundação da nossa querida Biblioteca Municipal Ricardo Ferraz de Arruda Pinto. Em oito décadas de história, temos muito a contar, começando da sua criação em 1939, quando, durante a gestão do prefeito Ricardo Ferraz de Arruda Pinto, iniciou o espaço de leitura e literatura da cidade, em uma sala da Câmara Municipal, com apenas 837 livros. Ainda assim, era a primeira de todo o interior do Estado.

A partir daí, vários locais abrigaram o acervo que conquistava, a cada dia, mais e mais adeptos. Nos primeiros 28 anos, o espaço foi comandado pelo diretor Leandro Guerrini, grande jornalista, dramaturgo, escritor e historiador, considerado o “pai” dos intelectuais piracicabanos. A partir de 1940 até 1990, seu acervo mudou de endereço por sete vezes, até chegar à rua do Rosário, de onde finalmente saiu, na administração do prefeito Barjas Negri, para a casa nova e definitiva.

Para chegar à esquina das ruas Vergueiro com Saldanha Marinho foi necessária muita determinação da parte do Poder Público. Depois de aprovado o projeto de autoria dos arquitetos do Ipplap – Instituto de Planejamento e do presidente da autarquia, João Chaddad, a prefeitura deu início à realização da tão sonhada sede para a Biblioteca Pública Municipal.

O novo prédio, desenvolvido para atender as especificidades de uma biblioteca moderna, com amplo acervo, disponibilizando vários serviços e totalmente informatizada, demonstrou que a espera valera a pena. Pudemos oferecer à população, um espaço totalmente adaptado para pessoas com deficiências, não apenas físicas, mas também visuais, abrigando mais de 700 exemplares em braile.

Atualmente, a Biblioteca de Piracicaba é referência nacional, com mais de 18 mil usuários cadastrados e mais de 98 mil livros em seu acervo. Um número bastante expressivo, uma vez que pretendemos, com o auxílio do Projexb – projeto de expansão de bibliotecas, alcançar a meta de 100 mil livros.

Mais de 3 mil pessoas passam pela instituição, todos os meses. Elas vêm em busca de um espaço adequado para estudar, pesquisar, para um momento de lazer, de conhecimento. Várias ações são realizadas para aproximar o público, da literatura. Contação de histórias, exposições, visitas monitoradas, biblioteca infantil, gibiteca, além de eventos ocasionais e concursos literários de Microcontos de Humor e Prêmio Escriba.

Não posso esquecer de mencionar o quiosque literário Maria Emília Leitão Medeiros Redi, com funcionamento aos domingos, das 8h30 às 12h, no Parque da Rua do Porto. No local, mais de 100 pessoas são atendidas com empréstimos ou doação de livros, devolução de exemplares, leitura de jornais periódicos, atividades com desenho para crianças e em alguns domingos, contação de histórias.

Nossa cidade cresce afeita às letras e às artes, desde então, os administradores públicos buscam adotar políticas afirmativas com o objetivo de torná-la cada vez mais, um espaço cultural ativo, um ponto de referência para o desenvolvimento intelectual, científico e artístico, expandindo valores, divulgando a cultura e os costumes.

Que a nossa amada Biblioteca Pública Municipal continue sendo um local aprecidado por toda a população de Piracicaba e região, disseminando a cultura através da leitura.