Brasil e Peru decidem o título, amanhã, no Maracanã

Foto: Lucas Figueiredo/CBF

Brasil e Peru fazem neste domingo (7), às 17h, a final da Copa América 2019, no Estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro.. A Seleção Brasileira é octacampeã da competição, em 1919, 1922, 1949, 1989, 1997, 1999, 2004 e 2007 e tentam serem campeões pela nona vez, para diminuir a diferença para o Uruguai (15 títulos) e Argentina (14). Os peruanos, campeões em 1939 e 1975, tentam quebrar um tabu de 44 anos sem conquistar a América e se tornar a única seleção tricampeã da competição, ultrapassando os bicampeões Paraguai e Chile.

O atacante Everton Cebolinha comentou sobre o estilo de jogo da equipe andina. Principalmente na maneira de jogar. “Assistimos ao jogo de ontem e vimos que é um time que toca bastante a bola, priorizando a posse, além de serem cirúrgicos no ataque, tanto que nas chances que eles tiveram, fizeram os gols. Creio que temos que trabalhar em cima disso para vencermos”, disse Everton.

O lateral-esquerdo Alex Sandro minimizou a goleada do Brasil na primeira fase, alegando que todo jogo tem a sua própria história. “Cada final é uma diferente e temos que estar preparados. Se o Peru chegou na final, chegou pelos próprios. É uma equipe que cresceu na competição. Cada jogo é um único e temos que tratar a final como a partida da nossa vida. É um grupo preparado. Apesar de muitos jogadores serão jovens, são atletas com bagagem e muito bem preparados”, afirmou.

O atacante peruano Paolo Guerrero, que joga no Internacional-RS, disse que o respeito com o Brasil é grande, porém não acredita que essa final tenha um favorito. “Respeito muito o Brasil que também  tem que respeitar o meu país (Peru). Estou muito feliz de estar no Brasil, tenho muito respeito com as pessoas, que sempre me trataram bem, mas no futebol não existe favorito e demonstramos isso contra Uruguai e Chile, principalmente contra os chilenos, já que muitos diziam que eles muito favoritos e vencemos por 3 a 0. Como disse, temos muito respeito pelo Brasil, para faremos de tudo para conquistarmos o título”, enfatizou Guerrero.

HISTÓRIA

O Brasil foi campeão sobre a Bolívia (1997), Uruguai (1999) e Argentina (2004 e 2007) e perdeu para o Uruguai (1983 e 1995). A Seleção ainda foi campeã em 1919, 1922, 1949 e 1989, além de ter sido vice mais nove vezes, porém o formato era diferente, sem um “decisão” ao final do campeonato, no máximo um jogo de desempate caso as equipes empatassem em pontos. Neste caso, a Seleção disputou o jogo de desempate cinco vezes, vencendo o Uruguai (1919) e o Paraguai (1949), perdendo para a Argentina (1937) e para o Paraguai (1953).

Bicampeão da competição, o Peru irá para a sua segunda decisão da competição, a primeira desde 1975, ano em que foi campeão diante da Colômbia. O outro título foi em 1939, diante do Uruguai, porém naquela edição, o regulamento só previa uma final se as equipes empatassem em pontos ao final do campeonato, fato que não aconteceu.

TERCEIRO LUGAR

A Arena Corinthians, em São Paulo, recebe hoje, às 16h, a disputa pelo terceiro lugar da Copa América. Finalistas nas duas últimas edições, Argentina e Chile disputam o “Clássico de los Andes”. Na única vez em que disputou o “jogo de consolação”, a Argentina perdeu para a Colômbia em 1987, enquanto que o Chile também perdeu sua única disputa do bronze, para o México, em 1999.

Mauro Adamoli