Brasil tem 55,7% da população com sobrepeso

De janeiro a maio de 2019, no Conselho Tutelar 1 foram atendidas 466 denúncias e 345 no CT2. (Foto: Free Pike)

Dores musculares, roncos, problemas de pressão, diabetes e depressão são apenas alguns dos sintomas que o sobrepeso e a obesidade podem causar na saúde do indivíduo. Considerada uma doença global, o excesso de peso atinge cerca de 2,1 bilhões de pessoas, tendo o dia 11 de outubro como concientização para esse problema. A OMS (Organização Mundial da Saúde) prevê que em 2025 o número aumente para 2,3 bilhões de adultos com sobrepeso e mais de 700 milhões de obesos.

“A obesidade é uma doença multifatorial e altamente prevalente nas populações brasileira e mundial”, comenta a endocrinologista do Santa Casa Saúde, Flávia Moretti Duch Simone ao salientar ainda, que o Brasil está entre os cinco países com maior população acima do peso no mundo, tendo 55,7% da sua população com sobrepeso. De acordo com o Ministério da Saúde o aumento é maior em jovens adultos de 18 a 24 anos.

O acúmulo de gordura é um processo natural considerada a reservas de nutrientes para as épocas de escassez de alimentos, não somente na espécie humana, mas em diversos filos do reino animal. Contudo, o consumo exacerbado de alimentos industrializados e com uma baixa quantidade de vitaminas e outros nutrientes apenas saciam a fome, mas não nutrem o corpo, além de a utilização de corantes entre outros produtos químicos podem futuramente gerar câncer entre outros problemas de saúde.

Apesar de o maior fator ser a falta de atividades físicas junto a uma alimentação desequilibrada, estes não são os únicos agentes que podem gerar a obesidade. A endocrinologista explica, que na maioria dos casos não há uma disfunção hormonal como causa da obesidade, mas existem doenças que alguns sintomas são o ganho de peso: “quando isso ocorre, geralmente vem acompanhada de outros sinais e sintomas, sendo necessário investigar doenças endócrinas de base”, explica.

Entre as disfunções endócrinas que podem favorecer ou causar a obesidade, temos o hipotireoidismo (deficiência de hormônio tireoidiano), Síndrome de Cushing (excesso de cortisol); Síndrome dos Ovários Policísticos e hipopituitarismo (deficiência de hormônios hipofisários).

 

Obesidade Infantil

Dos 55,7% da população brasileira acima do peso, 15% são crianças e segundo a Abeso (Assosiação Brasileira de Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica), o sudeste fica em primeiro na região com mais crianças obesas no Brasil: cerca de 38,8% dos jovens de 5 à 9 anos.

Em linhas gerais, segundo dados da Vigitel – setor que compõe o sistema de Vigilância de Fatores de Risco para Doenças Crônicas não Transmissíveis (DCNT) do Ministério da Saúde -, a taxa de obesidade no país passou de 11,8% para 19,8%, entre 2006 e 2018. É um aumento de 67%. A Vigitel também reúne dados sobre o excesso de peso (quando o índice de massa corporal ainda não chegou à obesidade, mas já ultrapassou o limite considerado saudável). Os pesquisadores concluíram que mais da metade da população brasileira (55,7%) se encontra nessa condição.