,
Clique e
assine o JP
Televendas: 3428-4190
Classificados: 3428-4140
Comercial: 3428-4150
Redação: 3428-4170
Últimas notícias:
  • Timbaland busca nova estrela do pop em reality
  • Músicas de Braguinha inspiram peça que defende a força da arte
  • Um espaço aberto para a Avenida Paulista

Marina Silva diz que Temer 'não está em condições de governar'
Agencia Estado
18/05/2017 06h00
  |      
ENVIAR     IMPRIMIR     COMENTE              
 

A ex-ministra e ex-senadora Marina Silva, líder da Rede Sustentabilidade, afirmou em vídeo publicado nas redes sociais na madrugada desta quinta-feira, 18, que o presidente Michel Temer "não está em condições de governar o Brasil". Marina diz que a crise política está se agravando "de forma dramática" e que o País está em "estado de choque" com as denúncias. "O que aconteceu é que, mais uma vez, sabotaram os fundamentos da República e da democracia." As críticas ocorrem após a revelação de que Temer teria dado aval para que a JBS comprasse o silêncio do deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), preso na Operação Lava Jato. A informação foi divulgada na quarta-feira, 17, pelo colunista do jornal O Globo Lauro Jardim. O Planalto nega a acusação. A líder da Rede afirma, no vídeo, que o Congresso Nacional deveria aprovar a emenda à Constituição apresentada pelo deputado Miro Teixeira (Rede) que possibilita a realização de eleição direta em caso de queda de Temer - pela atual regra, a escolha do novo chefe do Executivo se daria por via indireta. "Para que a sociedade faça a escolha daquele que, com base em um programa, poderá fazer a transição neste difícil momento que estamos atravessando." Marina descarta a possibilidade de se aguardar pela renúncia de Temer. "Não podemos ficar esperando pela consciência de quem já deixou a crise ir para o patamar em que chegou", disse. No vídeo, a ex-ministra não faz menção ao senador Aécio Neves (PSDB), que teria sido gravado pedindo R$ 2 milhões para o empresário Joesley Batista, dono da JBS. Na eleição de 2014, Marina declarou apoio ao tucano no segundo turno.

 
 
Voltar

Comentários

Nome:
E-mail:
Comentário:
 

  • Seja o primeiro a comentar