,
Clique e
assine o JP
Televendas: 3428-4190
Classificados: 3428-4140
Comercial: 3428-4150
Redação: 3428-4170
Últimas notícias:
  • CPFL faz blitz em 11 bairros de Piracicaba
  • Líder comunitário dá nome a Cras
  • Plante Vida completa 10 anos com 50 mil mudas

Secretário parlamentar de Perrella preso pela PF é exonerado do Senado
Agencia Estado
19/05/2017 11h01
  |      
ENVIAR     IMPRIMIR     COMENTE              
 
A Diretoria-Geral do Senado Federal exonerou Mendherson Souza Lima do cargo de confiança de secretário parlamentar do gabinete do senador Zezé Perrella (PMDB-MG). A exoneração foi assinada na quinta-feira, 18, e está publicada no Diário Oficial da União (DOU) desta sexta-feira, 19. Mendherson, que também é cunhado de Perrella, foi preso na quinta pela Polícia Federal na Operação Patmos, deflagrada depois da delação de Joesley Batista, um dos donos do Grupo JBS. De acordo com o delator, o agora ex-secretário parlamentar recebeu dinheiro da JBS em nome do senador afastado Aécio Neves (PSDB-MG), também alvo da Patmos. O dinheiro pagaria a defesa de Aécio na Lava Jato. Segundo a PF, foram apreendidos R$ 400 mil em dinheiro na casa de Mendherson. A Operação Patmos foi deflagrada na quinta-feira, com dois alvos principais: o presidente Michel Temer (PMDB) e Aécio. A operação foi autorizada pelo ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), a pedido da Procuradoria-Geral da República. A Patmos fez buscas em endereços de Aécio e prendeu, além de Mendherson, a irmã de Aécio, Andrea Neves, e um primo do tucano. Além disso, um inquérito foi aberto contra o presidente Temer. Tudo em decorrência da delação de Joesley Batista. Entre outras provas, o empresário gravou Temer supostamente dando aval ao pagamento de propinas ao preso e condenado Eduardo Cunha, em troca do silêncio do ex-presidente da Câmara. Batista também denunciou que Aécio teria pedido à JBS R$ 2 milhões.
 
 
Voltar

Comentários

Nome:
E-mail:
Comentário:
 

  • Seja o primeiro a comentar