,
Clique e
assine o JP
Televendas: 3428-4190
Classificados: 3428-4140
Comercial: 3428-4150
Redação: 3428-4170
Últimas notícias:
  • Burberry queima R$ 141 milhões em produtos que não venderam
  • A tragédia da morte de Euclides da Cunha
  • Festa da Polenta de Santa Olímpia deve receber 12 mil visitantes

Em SP, restauração da fachada do Pátio do Colégio começa nesta segunda-feira
Agencia Estado
16/04/2018 11h01
  |      
ENVIAR     IMPRIMIR     COMENTE              
 
Começou na manhã desta segunda-feira, 16, a limpeza da fachada do Pátio do Colégio, no centro histórico de São Paulo, pichada na última semana com a frase "Olhai por Nóis (sic)". Dois dos envolvidos já foram identificados e confessaram o crime e a identidade de uma terceira pessoa é mantida em sigilo. De acordo com informações da administração do Pátio do Colégio, os preparativos para a restauração tiveram início por volta das 6h. Após a montagem dos andaimes, a limpeza será realizada por voluntários que se dispuseram a ajudar. Ainda não há previsão de quanto tempo irá durar a ação. A restauração exige cuidados especiais, já que o monumento é tombado como patrimônio histórico. Segundo a instituição, todos os materiais utilizados na limpeza, como um andaime e uma lavadora, foram doados por pessoas e empresas. A Prefeitura de São Paulo se colocou à disposição, mas, de acordo com o Pátio do Colégio, não possuíam os materiais necessários. Envolvidos João Luís Prado Simões França, de 33 anos, e Isabela Tellerman viana, de 23, confessaram a participação no crime. O homem, conhecido como M.I.A, ("Massive Ilegal Arts" - Artes Ilegais de Massa, numa tradução livre), considerado o líder do grupo pela polícia, confessou ter participado de outras pichações pela cidade, como os atos no Monumento às Bandeiras e na estátua do Borba Gato, em 2016, e o Estádio do Morumbi, em 2017. Por ser considerado um crime ambiental de natureza leve, os envolvidos podem ter a pena convertida pela Justiça em prestação de serviços. Segundo o delegado Marcos Galli Casseb, a ação de França pode resultar em prisão, caso o Poder Judiciário decida somar as penas das pichações que ele já cometeu. A Prefeitura de São Paulo ainda pode multar os envolvidos em R$ 10 mil.
 
 
Voltar

Comentários

Nome:
E-mail:
Comentário:
 

  • Seja o primeiro a comentar