Candidato à vaga de emprego deve utilizar com prudência mídias digitais

A tecnologia tem sido utilizada, nos últimos anos, até mesmo na hora de buscar emprego. As redes sociais on-line e os aplicativos de celular podem — e devem — ser usados para enviar currículos. As empresas, inclusive, se adaptaram a essa realidade e aceitam currículos pelas vias digitais. Neste contexto, o candidato à vaga de emprego deve seguir algumas “regrinhas” de etiqueta e ter alguns cuidados para não importunar os recrutadores. Se quiser causar boa impressão, o uso das mídias digitais deve ser moderado, uma vez que recrutadores analisam as postagens e compartilhamentos para traçar o perfil de quem almeja um trabalho.
 
 
Conforme a psicóloga e coach com pós-graduação em Recursos Humanos Eline Rasera, WhatsApp, Facebook e outras redes sociais on-line podem e devem ser empregadas para envio dos currículos. “Com o avanço da tecnologia, os meios de comunicação entre as pessoas de todo o mundo facilitaram os contatos e ainda reduziram absurdamente o tempo dessa comunicação”, comentou. “O Linkedin, por exemplo, é apropriado para disponibilizar o currículo. Importante sempre atualizar e buscar informações de vagas”, disse, acrescentando que todo cuidado é pouco para garantir que o currículo — além de bem elaborado — chegue à pessoa certa. 
 
 
Para enviar currículo pelas redes sociais on-line e aplicativos de mensagens, a orientação de Eline é, que, primeiramente, se estabeleça um contato prévio, conhecendo ou não a pessoa para quem vai endereçar. Deve se apresentar, quando não conhece a pessoa, e solicitar autorização para envio do currículo para análise. Em hipótese nenhuma, não deve haver cobrança de uma resposta do destinatário se a iniciativa partir do candidato ao emprego, o que muda se a iniciativa partir da empresa, podendo, então, ser solicitada uma posição. Além disso, o candidato deve procurar modelos de currículos atuais e que facilitem a leitura pelo profissional de Recursos Humanos.
 
 
ETIQUETA — As pessoas devem seguir normas de etiqueta ao enviar currículo por esses meios. Primeiro, devem solicitar autorização para o envio do currículo. “Gentileza, ao enviar uma mensagem. Estamos falando com a pessoa (comunicação). Sempre utilizar palavras gentis e de boa educação e evitar longos textos”, informou Eline. As boas maneiras também exigem não contar histórias sobre necessidades pessoais, mas informar quem fez a indicação e se colocar à disposição.
 
 
BOA IMPRESSÃO — Quem procura emprego via mídia digital também deve manter um perfil atrativo aos recrutadores, segundo Eline. “Ter bom senso em qualquer postagem que fizer nas redes sociais, para mim, é a dica mais importante. Fotos, artigos, opiniões, comentários etc. Tudo o que se divulgar é interpretado por quem recebe a informação e essa interpretação, além de ser única e pessoal, não está no nosso controle. Também consta como parte do perfil de cada pessoa”, falou.
 
 
“Atualmente, as redes sociais on-line são utilizadas como meio de “avaliação” do candidato, ou seja, através das informações geradas pela tecnologia (postagens, fotos, artigos, comentários etc) acessíveis é possível ter um perfil do candidato”, explicou a psicóloga. “O Big Data (volume da dados estruturados e não estruturados gerados a cada segundo-internet) oferece uma infinidade de informações que, quando cruzadas, descrevem o perfil de uma pessoa”, afirmou.
 
 
NETWORKING — Ao buscar uma recolocação no mercado de trabalho, o candidato também deve recorrer ao networking, que é uma maneira muito eficiente para que o currículo “entre” nas empresas. “Mantenha bons contatos sociais. Se estiver desempregado, não fique sem fazer nada, ou seja, utilize o tempo para o Plano B, cursos, atividades físicas, contatos. Isso ajuda muito na autoestima e como se utiliza o tempo ocioso”, sugeriu.