quinta-feira, 18 de setembro de 2014
  

Cata-cacareco: solicitações recorde

Jornal de Piracicaba
terça-feira, 6 de março de 2012 15h44

A+  |  A-     
ENVIAR      IMPRIMIR          
A população piracicabana mostra que está caminhando a passos largos rumo a uma maior conscientização ambiental. Prova disso é que o número de pedidos feitos ao serviço cata-cacareco, oferecido e gerenciado pela Sedema (Secretaria Municipal de Defesa do Meio Ambiente), é recorde. Em seis anos, de 2005 a 2011, a demanda saiu de 508 para 2.925 solicitações. O cata-cacareco representa um trabalho importante e vital para uma cidade do porte de Piracicaba. Recolhe gratuitamente itens que antigamente  eram despejados nos antigos lixões da cidade, oferecendo riscos ao meio ambiente e à saúde publica. São geladeiras, fogões, sofás e outros tipos de material de difícil decomposição na natureza. O mais interessante é que muitos moradores agora agendam a retirada dos itens, pelo 156 da Prefeitura de Piracicaba, ao invés de jogarem em locais impróprios. Centro e Bairro Alto são as regiões que mais requisitaram o cata-cacareco. Em seguida estão os bairros Piracicamirim e Morumbi. O serviço conta com três veículos, cada um com capacidade para receber duas toneladas de material. Se a cidade não pudesse contar com o cata-cacareco, móveis e utensílios domésticos estariam ao ar livre, em algum local próximo de residências, acumulando água de chuva e oferecendo riscos, inclusive, para a proliferação do mosquito Aedes aegypt, transmissor da dengue. Tanto é verdade, que uma das regiões onde se concentra o caso da doença em Piracicaba, próximo do bairro Cantagalo, contava com uma área de descarte irregular, provável foco de infestação do mosquito. Além do serviço à domicílio promovido pelo cata-cacareco, a Sedema também promove arrastões pelos bairros — no ano passado foram cinco, cujas ações contaram com o apoio dos postos de saúde. O destino do material recolhido pelo cata-cacareco é variado: madeiras são enviadas à empresa Eco Verde, onde são trituradas e reaproveitadas em fornos de olarias; material reciclável tem como destino a Cooperativa do Reciclador; e o restante, vai para o aterro sanitário de Paulínia, onde todo lixo de Piracicaba é enviado. O cata-cacareco só não recolhe restos de material de construção. Com a certeza de que o trabalho é realizado em prol do meio ambiente e da coletividade, a população entendeu que a melhor forma de descartar estes itens é por meio do serviço prestado pela Sedema. Mas há muito ainda a ser feito. Não é raro encontrar, em terrenos — em diversos bairros — restos de móveis, madeira apodrecida pela exposição ao tempo, e outros materiais despejados sem o mínimo de consciência. A prefeitura, por meio da Sedema, está fazendo a sua parte, mas cabe ao cidadão entender a questão e requisitar o serviço do cata-cacareco. Ou mesmo de procurar os quatro ecopontos existentes nos bairros Cecap, Jardim Oriente, Monte Rey e Bosques do Lenheiro. Uma forma das mais saudáveis de deixar de acumular material que não serve mais e também de cuidar da nossa cidade para as gerações futuras.
 



 Copyright © 1995-2012
 Fundado em 4 de agosto de 1900
 Trabalhe Conosco






Assine o Jornal de Piracicaba: 19 3428 4190
Balcão Pequenos Anúncios: 19 3428 4140