Caphiv discute melhoria no atendimento aos pacientes

atendimento Caphiv apresenta proposta de atendimento integrado. ( Foto: Divulgação)

O Caphiv (Centro de Apoio HIV/Aids e Hepatites Virais) de Piracicaba participou da reunião da GVE (Gerência de Vigilância Epidemiológica) na EEP (Escola de Engenharia de Piracicaba). O evento aconteceu na semana passada e reuniu representantes de 26 municípios entre coordenadores de programas municipais, representantes do sistema prisional e socioeducativos, profissionais liberais e membros da sociedade civil organizada.

De acordo com o chefe administrativo do centro, Eliel da Fonseca, a participação da OSC (Organização da Sociedade Civil) foi destaque ao propor estratégias que conjuguem aspectos da saúde e sociais com objetivo de atender o usuário em sua dimensão psicossocial. Segundo Fonseca, atualmente há pouca comunicação entre as áreas de saúde e social em Piracicaba.

O representante da OSC disse que não é possível cadastrar os usuários do centro de apoio nos CRAS (Centro de Referência de Assistência Social) e CREAS (Centro de Referência Especializado de Assistência Social). “Os equipamentos públicos da assistência social entendem que a Casa de Apoio trata de questões ligadas à saúde , não há diálogo entre social e saúde”, destacou.

De acordo com ele, esse foi o primeiro encontro com a finalidade de rediscutir as políticas públicas vigentes no âmbito do SUS (Sistema Único de Saúde) no Estado referentes à rede de cuidados do HIV/AIDS e Hepatites Virais. O objetivo é aperfeiçoar a rede e consolidá-la ampliando seu atendimento com a oferta de um serviço humanizado, mais eficiente e célere.

“Piracicaba como referência em atendimento aos usuários de HIV/AIDS e Hepatites Virais tem capitaneado as iniciativas regionais na busca por melhores serviços na rede de cuidados” – afirmou Fonseca. Segundo ele, o intuito é buscar um resultado realista e que leve em conta as realidades locais, considerando a estrutura dos equipamentos públicos dos municípios paulistas, bem como os boletins epidemiológicos locais.

(Beto Silva)