Carreira de sucesso e qualidade de vida. É possível?

Trabalhadores compulsivos podem ter sua vida pessoal e família prejudicadas. (foto: Freepik)

Não é difícil encontrar, em uma época cheia de cobranças e correria, pessoas conhecidas como ‘workaholics’, ou seja, trabalhadores compulsivos que, além de passar muitas horas por dia dentro do escritório, além de seu horário de expediente, ainda acabam levando trabalho para casa.

Esta, apesar de parecer estar ligada ao esforço e força de vontade, não é uma atitude saudável. De acordo com Vivian Wolff, coach de vida, formada pela Georgetown University Institute for Transformational Leadership, em busca de destaque no mundo corporativo, esses profissionais acabam abrindo mão de suas vidas pessoais e do convívio familiar.

“Vivemos em uma era de muita competição no mundo corporativo, fazendo com que as pessoas abdiquem de suas vidas pessoais para produzir mais, ganhar destaque em suas carreiras e garantir o conforto de suas famílias. Mas de que adianta tanto tempo de trabalho se a pessoa mal consegue usufruir da ‘boa vida’ que oferece à família?”, questiona Vivian.

Para a especialista, conciliar o tempo e espaço das atividades profissionais com as pessoais é importante, ainda que seja uma tarefa difícil de ser empregada. “É preciso aceitar que essa situação existe e precisa de atenção, porque ela tem um impacto na sua vida pessoal, profissional e nas vidas das pessoas que dividem esses espaços com você”, argumenta. “O mais importante é conhecer a você mesmo, em profundidade, para poder elencar suas prioridades e fazer escolhas certas, sem correr riscos mal calculados em nenhuma das esferas de sua vida”.

Tudo começa na definição de prioridades, com perguntas como “o que eu quero alcançar na minha vida profissional e pessoal?” e “quais são as atividades que eu desempenho diariamente na minha rotina profissional e pessoal?”. Com as respostas para essas questões listadas, deve-se partir para a real definição.

Primeiramente, separe o que hoje é sua responsabilidade mas pode ser atribuída e bem executada por outras pessoas. Delimite quais atitudes são “ladras de tempo” e devem ser eliminadas, como a ociosidade nas redes sociais em períodos de trabalho. Por último, defina quais são as atividades que apenas você pode executar e foque nelas.

MAIS DICAS

Outra indicação de Vivian Wolff é a separação da tecnologia. Por mais que isso não seja possível no ambiente de trabalho, aplique a medida em sua vida pessoal. “A dimensão que a tecnologia ocupa no mundo atual torna essa separação cada vez mais difícil. Os smartphones e os aplicativos facilitaram tarefas, encurtaram distâncias, mas, por outro lado, nos tornaram disponíveis o tempo todo”, aponta. “É necessário delimitar espaço e tempo em que estejamos off-line, para que possamos nos dedicar à presença e atenção requeridas, seja da família ou de amigos”.

Ao mais, de acordo com a especialista, é preciso entender que seu descanso é necessário para que o tempo de dedicação às atividades seja bem desenvolvido e aproveitado. Defina metas, estabeleça objetivos e selecione atividades que possam ser implementadas de forma realista em sua agenda.

Mariana Requena
[email protected]