,
Clique e
assine o JP
Televendas: 3428-4190
Classificados: 3428-4140
Comercial: 3428-4150
Redação: 3428-4170
Últimas notícias:
  • Todos os presidentes que ganharam filmes no País
  • Retrospectiva de Rodrigo Andrade está entre as dicas de exposições da semana
  • Ocimar Versolato morre aos 56 anos em São Paulo

Cartas do leitor - 06/10/2017
Da Redação
06/10/2017 15h40
  |      
ENVIAR     IMPRIMIR     COMENTE              
 

Veterano da Unimep — Fiquei atônito ao ler a matéria publicada na edição de quinta-feira do Jornal de Piracicaba que noticia o bom desempenho obtido pela Unimep em um ranking produzido pela Folha de S. Paulo. Minha reação decorre do fato de eu acompanhar de perto a situação da universidade e perceber que mesmo com tantos problemas, conforme o próprio JP noticia regularmente, a instituição mantém-se em um patamar exemplar no que tange à qualidade do ensino. Minha relação com a Unimep mescla afeto e saudosismo — por ter me formado lá — e indignação e perplexidade pela atual crise administrativa enfrentada pela instituição onde estudaram meus dois filhos. Como permitiram a Unimep, um entre tantos orgulhos de Piracicaba, chegar onde chegou ao ponto de professores e funcionários precisarem deflagrar uma greve (justa por sinal) para serem ouvidos? São profissionais dedicados e comprometidos que não levaram para as salas de aula a série de problemas que enfrentam diariamente junto aos gestores do departamento administrativo da instituição. E não sou eu quem diz isso, mas sim os números obtidos nas diversas avaliações que medem a qualidade do ensino da Unimep, e que foram coroados pela matéria de capa que afirma: Unimep é eleita a 4ª melhor universidade particular do interior paulista. Isso tudo me fez recordar do clima de apreensão que rondou nossa cidade em um passado recente quando foi ventilada a hipótese da Unimep ser adquirida por outro grupo educacional. A mobilização foi intensa, todos eram contra a venda e defendiam o fato que não existir ninguém melhor que a Igreja Metodista para controlar a instituição. Hoje questiono se a concretização desta negociação não teria sido melhor. Talvez a crise administrativa pudesse ser evitada, a recente greve não teria acontecido, o malfadado sistema de computadores funcionando e todos os colaboradores com seus salários em dia. Jamais saberemos. O que nos resta é torcer pela recuperação plena, e para que isso ocorra, cobrar uma atuação rápida e transparente da cúpula metodista para que os alunos, principal razão de ser da Unimep, não paguem pelas falhas alheias. Antônio Carlos Ramos, empresário, Vila Rezende

 
 
Voltar

Comentários

Nome:
E-mail:
Comentário:
 

  • Seja o primeiro a comentar