Cartórios de Piracicaba registraram 10 mudanças de nome e sexo

Marcos Paulo esperou oito meses pelo registro, próximo passo será obter o RG (Claudinho Coradini/JP)

Desde a publicação do provimento de número 16 pela Corregedoria Geral da Justiça do Estado de São Paulo, em maio do ano passado, autorizando a alteração de nome e sexo no registro de nascimento de transgêneros e transexuais, os cartórios de Piracicaba realizaram – até o momento – dez retificações de registros de nascimento. Os números foram divulgados pela Arpen-SP (Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Estado de São Paulo).

Em Piracicaba, segundo o coordenador da ONG Casvi (Centro de Apoio e Solidariedade à Vida), Anselmo Figueiredo, na primeira semana após a publicação, dez pessoas procuraram a entidade em busca de informações sobre como proceder para fazer a mudança de nome.

O motorista Marcos Paulo Santos, 40 anos, esperou quase um ano para conseguir sua identidade como homem trans. Natural de Sergipe ele contou com a ajuda da esposa que foi até o cartório de sua cidade natal para entregar o processo para retificação. Após oito meses de espera Marcos Paulo comemorou o recebimento do registro na última quarta-feira. “Agora vou tirar o RG e a próxima providência será me casar de papel passado”, comemorou.

Veja matéria completa na edição impressa do JP deste domingo.

Beto Silva