Casa do Povoador recebe Entalhes Barroco

Para resgatar a arte barroca em Piracicaba, a Casa do Povoador abre hoje a exposição Entalhes Barroco, promovida por alunos do Ateliê Entalhe Arte. As mais de 60 peças são de autoria de Aldo Pernambuco Sobrinho, proprietário da oficina e curador da mostra, e de seus alunos: Célia Salvaia, Celso Battistini Rosa, José Dionísio Chiaranda, Raul Rozados e Valéria Fancelli. As visitas seguem até 18 de março, de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h, e aos sábados e domingos, das 13h às 17h.
 
A exposição conta com artes em entalhes — processo em que o artista trabalha minuciosamente, cortando ou extraindo o material supérfluo de madeiras diversas, como de reaproveitamento, canela, mogno, cedro rosa, imbuia, cerejeira, até obter a forma desejada —, entre elas imagens de santos, mini oratórios barrocos, oratórios com madeira de demolição, mandalas e abstratos, produzidas em oito meses pelos alunos do ateliê, que têm aula uma vez por semana. Os estudos em conjunto sobre essa arte, de acordo com o curador, começaram há cerca de quatro anos.
 
O objetivo da mostra, realizada em parceria com a SemacTur (Secretaria Municipal da Ação Cultural e Turismo), é resgatar a arte barroca, surgida em meados do século 17, na Itália, e conhecida pelos detalhes, requinte e elegância exagerados. “A arte dos entalhes estava esquecida na cidade. Meu pai era marceneiro e, antigamente, trabalhou muitos anos com o seu Neno, como era conhecido Eugênio Nardin. Ele e Pedro Senicato eram os principais entalhadores de Piracicaba. Comecei a ir na casa deles e descobri que, da madeira bruta, conseguimos entalhar e formar uma peça. A ideia foi surgindo, então comecei a me aprofundar em oratórios e santos. O entalhe é uma ferramenta preciosa, capaz de transformar”, disse.
 
Ele afirma que procura, com a exposição, mostrar que os trabalhos em entalhe diversificam o ambiente. “A arte barroca é mais fina, tem a beleza das igrejas, altares com rocalhas. É linda. Então, como na região não tem tanta divulgação desta arte e muitos não a conhecem, sempre luto para mostrar o entalhe, que são várias peças de uma arte especifica, que abrange múltiplos fatores em diferentes ambientes, para decoração, moldura de espelho, candelabro.”
 
Para a diretora da Casa do Povoador, Margarete Zenero, um dos intuitos é trazer à tona artes esquecidas pela população. “O barroco está sendo abandonado, pelo fato da dificuldade de achar madeira e por profissionais, atualmente, utilizarem outras técnicas. A tecnologia evoluiu tanto que muitos artistas hoje utilizam, por exemplo, impressoras 3D. Piracicaba é um celeiro de profissionais reconhecidos e uma exposição como essa é essencial”, ponderou ela. “Arte barroca resgata a época, lembra a história, recorda lembranças, religiosidade, como algo divino, poético. É uma arte sagrada. Queríamos, então, dar individualidade e prioridade para ela”, completou Margarete. 
 
A ideia, segundo a diretora, é que a exposição se estenda por mais de um mês no local, que é visitado por cerca de 1 mil pessoas mensalmente.
 
SERVIÇO — Entalhes Barroco de hoje a 18 de março, de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h, e aos sábados e domingos, das 13h às 17h, na Galeria Alberto Thomazi da Casa do Povoador de Piracicaba (avenida Beira Rio, 800, Centro). Entrada gratuita. Informações: (19) 3434-8605 ou 99824-4285.