Casa do Produtor Rural tem oficinas

As oficinas foram dívidas nos módulos: Olericultura, Fruticultura, Ambiental, Faça Você Mesmo, Controle Biológico de Pragas, Agroindustria, CPRural Responde, Meliponicultura e Fungicultura. (Foto: Arquivo/JP)

Já pensou em fazer uma horta em casa reaproveitando materiais como canos, pneus e garrafas pets? Como cultivar hortaliças hidropônicas ou ainda fazer uma composteira doméstica? Estes serão alguns dos temas oferecidos pela Casa do Produtor Rural da Esalq/USP durante o EsalqShow (Fórum de Inovação para o Agronegócio Sustentável), que acontece entre os dias 9 e 11 de outubro.

As oficinas foram dívidas nos módulos: Olericultura, Fruticultura, Ambiental, Faça Você Mesmo, Controle Biológico de Pragas, Agroindustria, CPRural Responde, Meliponicultura e Fungicultura. Todas as atividades são gratuitas e ocorrerão das 9h às 17 horas, no Espaço Inovar, na Central de Aulas. A programação completa está na internet (https:// bit.ly/2oCayeG).

Durante o EsalqShow, os participantes poderão aprender sobre os diferentes temas agrícolas como: controle alternativo de pragas e doenças em hortas domésticas, sistema integrado de produção de peixes e hortaliças, a importância da qualidade de água na agricultura, preparo de solo, plantio, adubação e colheita para o cultivo de cenouras e beterrabas.

De acordo com a coordenadora da Casa do Produtor Rural, Marcela Matavelle, a proposta é disseminar o conhecimento que é gerado na academia “para toda a comunidade e ao produtor rural”.

Além de informações sobre manejos e cultivos, a iniciativa também trará temas sobre a legislação atual. “No EsalqShow, os produtores rurais podem tirar dúvidas sobre regularização ambiental das suas propriedades rurais”, afirma Marcela.

Na oficina sobre hortaliças hidropônicas, os participantes verão como funciona esse tipo de sistema de cultivo. “O visitante poderá aprender sobre formação de mudas, berçários, tamanhos de perfis. Teremos toda a infraestrutura voltada para quem está interessado em montar o sistema hidropônico”, ressalta.

Da Redação