Caso de febre amarela permanece sem resultado

A Vigilância Epidemiológica do Estado de São Paulo ainda investiga o LPI (Local de Provável Infecção) do piracicabano Joarez Bento, 31, morador do bairro Chácaras Nazareth 2, que morreu de febre amarela em janeiro deste ano. Existem cinco casos no Estado aguardando a confirmação clínico-epidemiológica, entre eles o de Piracicaba.
 
Na sexta-feira (16), a secretaria divulgou lista atualizada das cidades onde o vírus da febre está circulando. No total, 54 cidades estão na lista de “risco”, o que não é o caso de Piracicaba. “De 2017 até o momento houve 345 casos autóctones de febre amarela silvestre confirmados no Estado e 125 deles evoluíram para óbitos. Além disso, 41,4% das infecções por febre amarela foram contraídas em Mairiporã e 15% em Atibaia. Casos de febre amarela urbana não são registrados desde 1942”, informou a pasta.
 
De acordo a prefeitura, até ontem, 24.616 doses da vacina contra a febre amarela foram aplicadas na cidade desde o início do ano. A pasta da Saúde reforçou que não faltam doses da vacina nas unidades e que “o abastecimento é contínuo para a dose integral”. Além disso, informou que “a procura pelas doses segue em alta” e que “acompanha de perto as investigações sobre o LPI da morte confirmada em Piracicaba”.
 
A Secretaria de Estado da Saúde quer ampliar a cobertura vacinal contra febre amarela atingida com a campanha de vacinação, e pode anunciar a aplicação de doses fracionadas em Piracicaba.