Catedral de Santo Antônio inicia restauração dos vitrais da igreja

Iniciado em fevereiro deste ano, a reforma e restauração da Catedral de Santo Antônio da Diocese de Piracicaba segue em seu ritmo normal. Nesta semana, uma nova fase teve início com a retirada dos vitrais para restauração. No total, 45 janelas e a rosácea da entrada da igreja receberão benfeitorias, que custarão aproximadamente R$ 220 mil com restauro feito pela empresa Casa Ciano, de Vinhedo. Conforme explicou o padre Mateus Kerches Nicolucci, vigário da Paróquia Santo Antônio (Catedral), agora é que as obras efetivas começarão a aparecer a comunidade, já que a primeira etapa aconteceu na parte inferior da igreja, onde está sendo concluída a reforma do antigo salão – onde era confeccionado o tradicional bolo de Santo Antônio – e que será entregue neste segundo semestre.
De acordo com padre Mateus, a diocese está prestes a completar 75 anos e a reforma é um marco pois se trata da principal igreja da diocese e por ser um patrimônio histórico e cultural da cidade, a restauração da catedral bem como dos vitrais precisou de autorização do Codepac (Conselho de Defesa do Patrimônio Cultural) de Piracicaba para acontecer, por isso ela teve início agora. “É importante lembrar que os vitrais, na época em que foram instalados aqui na catedral, serviam como forma de catequese, configurava-se como obra de arte. As obras estão subindo, começou lá embaixo, num local onde quase ninguém vê e agora está aqui nesta parte de cima. Já está sendo preparado o elevador que dará acesso da secretaria para a catedral e agora chegamos a parte do vitral que é uma das coisas mais visíveis deste trabalho de reforma da catedral. Muitos diziam que estava reformando, mas não era visto, só escutavam os barulhos. Agora já está mais visível a obra”, destacou.
Há dois anos como especialista em restauro, fabricação e criação de vitrais para igreja, Edmílson Rafael Garone, da Casa Ciano e um dos responsáveis pela restauração dos vitrais da Catedral de Santo Antônio, contou que antes de retirar os vitrais é feito o desenho – ou o mapa – de cada peça que sairá da igreja e que, se tiver peças quebradas devido ao tempo, serão criadas novas e idênticas a que estavam no local. “Já viemos aqui anteriormente para avaliar tudo isso e temos todos os projetos em computador. Depois disso, retiramos os vitrais, por meio de andaimes, embalamos e numeramos cada peça para levá-las a nossa empresa em Vinhedo onde acontece o restauro para depois voltar para a igreja”, contou.
De acordo com Garone, na sede da empresa, será feito o restauro das peças com a retirada do chumbo dos vitrais, lavagem, higienização, secagem e reembalo para trazer de volta as peças para a janela da igreja. “Esperamos fazer o mais rápido possível, mas deve demorar cerca de três a quatro meses para completar esta primeira fase que contempla oito janelas. Assim que trouxermos estas partes já restauradas, vamos dar início a outra etapa e o processo será o mesmo. Serão várias etapas com aproximadamente oito janelas cada uma”, disse.
Garone enfatizou também que o processo de restauro de vitral “não é simples”. “É um trabalho difícil, mas como somos especializados nessa área, temos os equipamentos certos, vamos tentar fazer com que tudo seja entregue dentro do prazo programado. No lugar dos vitrais retirados, serão colocados tapumes para não correr risco de entrar pássaros e outros animais nem que molhe a igreja em caso de chuva. Com vitrais novos a percepção para os fiéis será de um ambiente mais claro, com desenhos mais visíveis, brilhantes, vai ficar muito mais bonito, principalmente a iluminação que vem dos raios de sol quando refletir nele e vier para dentro da igreja. Os fiéis vão gostar”, completou.
Padre Mateus aproveitou a oportunidade para lembrar que a reforma acontece em patrimônio da igreja e não em bem público. “Uma coisa é cobrar da gente a reforma dos banheiros da praça e do chafariz da fonte da praça, sendo que a competência disso é do poder público. A reforma é na catedral, um bem histórico da diocese, da igreja”, relatou.
ETAPAS – A restauração dos vitrais será feito por etapas. A primeira acontece pela rua Boa Morte, depois vai para a rua da Praça da Catedral e depois vem para os vitrais superiores. “A janela a gente olha e sabe que é grande, mas é na hora que retiramos ela que vemos o tamanho real dessas obras. Até o final do ano devemos estar nessa segunda etapa, e no ano que vem concluímos já a parte do vitral de cima e da fachada da catedral”, apontou padre Mateus ao lembrar que as peças têm aproximadamente 75 anos.
HISTÓRIA – Os vitrais que estão passando por restaura têm idade média de 75 anos. De acordo com padre Mateus, os mais antigos são os da porta principal da igreja, pois pertenciam a primeira catedral de Piracicaba. “Estes dois vitrais não serão restaurados, pois já passaram por este processo não faz muito tempo”, enfatiza.
Estes vitrais são considerados os mais importantes na parte catequética a que eles foram criados já que retratam dois milagres da vida de Santo Antônio. “Um deles mostra Santo Antônio carregando o santíssimo sacramento e, as pessoas na incredulidade, não acreditavam na real presença de cristo ali. As pessoas falavam que acreditariam somente se um animal fizesse reverência ao santíssimo. Neste momento, Santo Antônio apresenta a hóstia santa a um burro que faz a reverência e se ajoelha”, conta.
CAMPANHA — Mesmo com aporte financeiro garantido, a paróquia segue com a Campanha “Abrace a Catedral” já que a igreja não teve incentivos municipal, estadual ou federal para a reforma do patrimônio histórico. Segundo Padre Mateus, os interessados em colaborar com a obra, podem retirar carnê na secretaria da igreja para pagar 10 parcelas de R$ 30 mensais. “Se por ventura alguém quiser doar mais pode também, quem quiser colaborar com R$ 30 agora e depois só daqui três meses pode também, a doação é da disponibilidade de cada um. Não existe nenhum tipo de multa ou compromisso com isso, depende só da generosidade da pessoa. Toda a ajuda é sempre bem-vinda”.