Cidade se une para o Mês da Prevenção do Suicídio

Campanha de conscientização sobre a prevenção do suicídio, o Setembro Amarelo terá uma série de ações em Piracicaba. (foto: Sidney Jr)

Campanha de conscientização sobre a prevenção do suicídio, o Setembro Amarelo terá uma série de ações em Piracicaba. A elaboração de um cronograma está em fase final pela Câmara, prefeitura e entidades, que definiram o 2 de setembro para o lançamento oficial, por meio de caminhada pelas principais ruas do Centro. A concentração da passeata começará às 8h, no estacionamento do Mercado Municipal.

A saída será às 9h. O destino final será a Câmara, onde os representantes das entidades terão seu momento de fala sobre o trabalho desenvolvido na cidade. Durante a caminhada, haverá distribuição de uma cartilha com orientações gerais de prevenção do suicídio. Ainda na Câmara, haverá programação em 10 de setembro, Dia Mundial de Prevenção do Suicídio. Durante todo o mês devem ocorrer ações em instituições de ensino como a Fumep, Anhanguera, Unimep e Etec Fernando Febeliano da Costa, além do Teatro Municipal Dr. Losso Netto e nos Crabs.

O vereador Lair Braga (SD) explica que a demanda chegou ao seu gabinete por meio do Caphiv (Centro de Apoio aos Portadores do Vírus HIV/Aids e Hepatites Virais). Ele apresentou o projeto de decreto legislativo 56/2018, que deu origem ao decreto legislativo 67/2018, de 13 de dezembro do ano passado, sobre a participação da Câmara de Vereadores de Piracicaba na campanha. “Como radialista, sempre recebi a orientação de que divulgar o suicídio poderia incentivar outras pessoas a tirarem suas vidas. Com o aumento dos casos, esse pensamento mudou e foi identificada a importância de conscientização”, explicou.

Criadora do projeto Escuta na Rua, a psicóloga Tatyana Sarruge se uniu à organização do evento e sugeriu a realização do “Escutaço”, no dia 22 de setembro, das 8h às 11h, período em que vários psicólogos estarão disponíveis para acolhimento psicológico gratuito na praça José Bonifácio. “É um projeto de escuta imediata, que ocorre há três meses, e dá a chance a muitas pessoas de falarem sobre as questões que lhe afligem”, afirmou. Para Eliana Soares, voluntária e coordenadora do CVV Piracicaba, é fundamental que as entidades envolvidas com o tema pensem em uma agenda permanente de prevenção, que vá além do 10 de setembro. “Caminhamos para uma rede de proteção. A cada 40 segundos uma pessoa se mata no mundo, por isso devemos falar abertamente sobre o assunto, demonstrar que existe ajuda. Tudo é questão de amadurecimento e a ideia da campanha era que a sociedade encampasse a discussão, algo que está acontecendo a partir de 2019”, diz.

Na avaliação de Vandrea Novello, coordenadora do Programa Municipal de Saúde Mental, a ampliação da programação surge a partir de uma demanda da sociedade. “Em 2017 aconteceu a primeira ação na cidade, já com a participação do CVV, e lotou o anfiteatro do Serest. A gente notou que a sociedade estava demandando conversar sobre o assunto. A demanda é muito grande e não é possível que o serviço público a absorva por completo”, disse.

Da Redação