Cidade tem 12 novos casos de tuberculose por mês

Em média, Piracicaba registra 12 novos casos positivos para tuberculose ao mês, de acordo com levantamento da Coordenadoria de Vigilância em Saúde. Para alertar a população sobre a doença, seus sinais e sintomas e tentar erradicar completamente a doença no município, a Secretaria da Saúde, por meio da Vigilância Epidemiológica e do Programa Municipal de Controle da Tuberculose, em parceria com o Legislativo Municipal, realiza hoje, às 13h30, no anfiteatro da Câmara, evento alusivo ao Dia Mundial de Combate à Tuberculose.
 
O palestrante será o médico Eduardo Rebeis, coordenador do Programa de Controle de Tuberculose de Piracicaba. Ele abordará o tema Tuberculose: tratamento, prevenção e perspectiva, para levar aos profissionais de saúde da rede pública e demais interessados informações que ampliem a capacidade de diagnóstico da doença a partir de ações preventivas das unidades de saúde, junto população, melhorando assim o desempenho do município no combate à doença.
 
De acordo com o diretor do Cedic (Centro de Doenças Infecto-Contagiosas), Moisés Taglieta, 104 pessoas estão em tratamento na cidade. “Somente em 2017, foram 4.235 exames de Baciloscopia para Escarro (primeira amostra e controle), 1.781 Sintomático Respiratório (exame de diagnóstico), sendo uma média mensal de 148 exames de primeira amostra. O tratamento é gratuito pelo SUS e todos os pacientes diagnosticados são convocados a passar por consulta e iniciar o tratamento”, afirmou.
 
Mesmo sendo gratuito, ainda existem pessoas que não fazem o tratamento contra a doença e os casos de morte por tuberculose acontecem no município. “Infelizmente, alguns pacientes não procuram o serviço de saúde a tempo de iniciar o tratamento e, além disso, alguns pacientes, após certo tempo de tratamento, sentem-se melhor dos sintomas e, achando que estão curados, abandonam. Em 2016, foram 16 mortes. Em 2017 ainda não temos os dados oficiais porque o ano epidemiológico ainda não foi fechado”, disse.
 
A busca ativa de combate à doença acontece diariamente na cidade e, conforme explica Taglieta, nesta terça-feira (20), Piracicaba recebeu prêmio do Programa Estadual de Controle da Tuberculose, em São Paulo, pela superação das metas de investigação de sintomáticos respiratórios e da testagem dos casos novos de tuberculose para a detecção de infecção pelo HIV. “Na Campanha de Sintomáticos Respiratórios de 2017 nossa meta era colher 200 amostras e foram colhidas 326”, completou.
 
 
TRABALHO — A cidade conta com o programa Consultório na Rua, parceria entre as pastas de Saúde e Desenvolvimento Social, para as pessoas em situação de rua. “Detectando casos positivos é feito toda uma estratégia para que essa pessoa faça o tratamento regularmente e seja curada. Devido a diversos casos, os agentes precisam procurar estas pessoas e ofertar o medicamento diariamente para que se cure, o que não é fácil, já que estas pessoas nem sempre aceitam o tratamento e nunca estão num mesmo lugar”, declarou Taglieta.