Cidade tem campanha de combate a violência sexual

Com o slogan “O silêncio que grita o choro que cala”, ação visa conscientizar a população. (Foto: Claudinho Coradini/JP)

Com o objetivo de combater a violência sexual infanto-juvenil em Piracicaba e alertar a população sobre a importância de prevenir os abusos contra as crianças e adolescentes, o Crami (Centro Regional de Atenção aos Maus Tratos na Infância) e a empresa Via Ágil lançaram, ontem, a campanha “O silêncio que grita o choro que cala”.

Edmir Bernardino Valente, presidente do Crami, afirma que o índice de violência sexual é grande, porém, apenas 20% dos casos são notificados. “É preocupante. O abuso sexual contra crianças e adolescentes é uma grande violação de direitos que traz consequências físicas, psicológicas e sociais para as vítimas. É preciso denunciar”, disse. Segundo ele, com a campanha, “muita gente vai ter acesso as informações necessárias”.

A secretária do Smads (Secretária Municipal de Assistente Social), Eliete Nunes, explica que essa campanha foi criada para conscientizar os piracicabanos que as crianças e adolescentes precisam ser protegidos. “É muito triste ver crianças e adolescentes vítimas de uma barbárie como a violência sexual. A informação é importante para que a população ajude a denunciar. E isso é muito bom para que as pessoas que sofrem com esse trauma possam ter a noção que não estão sozinhas nessa luta”.

Nos próximos meses, quatro ônibus da Via Ágil circularão pela cidade com a campanha estampada no ‘backbus’. Além disso, cartazes e folders serão distribuídos, as TVs do terminal central mostrarão vários vídeos referentes ao tema.

Para Fernando Galvão, representante da Via Ágil, a campanha deve ajudar na diminuição dos casos na cidade.

“Sabemos que no Brasil mais de 50% das crianças são violentadas. É chocante. Temos que diminuir urgente esse alto número. Espero que com o conhecimento público, todos comecem a denunciar as pessoas que cometem esses crimes”, alertou ele ao lembrar que a também tem o apoio do Fundo Social de Solidariedade (Fussp) de Piracicaba.

Marcelo Uliana
[email protected]